Poluição em Moscou aumenta 10 vezes acima do permitido com onda de calor

Pneumologista russo diz que a população tem inalado o equivalente a 40 cigarros a cada três ou quatro horas

29 Julho 2010 | 17h22

MOSCOU - A pior concentração de smog (mistura de neblina com fumaça) registrada em Moscou em quase uma década aumentou a poluição dez vezes acima do nível permitido. O principal pneumologista da Rússia, Alexander Chuchalin, disse que a população tem inalado o equivalente a 40 cigarros a cada três ou quatro horas.

A cidade com mais de 10 milhões de habitantes tem sofrido com uma forte onda de calor no país, agravada por incêndios em áreas ao redor da capital.

Com temperaturas chegando quase na marca dos 40ºC, a fumaça das chamas e o cheiro de cinza têm se arrastado por escritórios, residências e restaurantes.

"A concentração de monóxido de carbono e partículas em suspensão em Moscou subiram até 10 vezes acima do limite na última noite", disse Alexei Popikov, especialista do Mosekomonitoring, agência governamental da cidade que supervisiona a poluição do ar.

O pneumologista Chuchalin falou em coletiva sobre os perigos desses níveis de poluição. "(O atual nível de) monóxido de carbono causa um prejuízo de cerca de 20% dos glóbulos vermelhos do sangue, o que equivale ao efeito de dois maços de cigarros dentro de três ou quatro horas", explica.

Ele aconselhou os moradores a usar máscaras, tomar antioxidantes como vitamina E, ficar em casa tanto quanto possível e utilizar nebulizadores para limpar os pulmões.

Na última segunda-feira, as temperaturas alcançaram 37,4º C, o valor mais elevado desde que os registros começaram a ser feitos, 130 anos atrás.

Alexei Yablokov, um biólogo de renome internacional que chefia o Partido Verde da Rússia, disse na terça-feira que a poluição do ar causada pela poluição atmosférica pode matar centenas de pessoas além do habitual na região de Moscou.

O chefe da região de Moscou, Boris Gromov, pediu para o primeiro-ministro Vladimir Putin destinar US$ 827 milhões para combater os incêndios em torno de Moscou.

A poluição atmosférica pode começar a melhorar nesta quinta-feira à noite, quando uma frente atmosférica se deslocará ao longo do oeste e deve trazer chuva à região de Moscou, disse o diretor do serviço meteorológico Roshydromet, Dmitry Kiktev.

Ele disse que a onda de calor deve se retirar no fim de semana, com temperaturas extremas caindo entre 4 e 5 graus Celsius.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.