André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Por coronavírus, Maia defende fechamento de fronteiras e plano de contingenciamento para RJ e SP

Presidente da Câmara defendeu restrição de voos internacionais diante do avanço da doença; Ministério da Saúde diz que País tem 290 casos confirmados. SP teve a primeira morte

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2020 | 16h44

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu o fechamento de fronteiras do País, com restrição de voos internacionais, para combater o avanço do novo coronavírus.

“Eu acho que o governo já deveria ter fechado as fronteiras, deveria ter restringido voos internacionais, deveria ter restringindo a situação das pessoas, principalmente nos estados onde a projeção é de problemas maiores como estados do Rio de Janeiro e São Paulo, mas estas posições são comandadas pelo poder Executivo, se fosse a minha opinião pessoal, pelos melhores exemplos do resto do mundo, acho que já deveria ter fechado as fronteiras.”,  disse.

“Não podemos, pela questão econômica, correr o risco de ter um problema maior na área de saúde pública. A economia será afetada de qualquer jeito. Achar que manter a circulação vai garantir algum crescimento, do meu ponto de visto isso está errado. Na hora que os problemas começarem a aumentar, as pessoas naturalmente vão começar a ficar em casa”, afirmou.

Ele disse ainda que já deveriam ter sido pensadas políticas públicas com ampliação do gasto público. “Como todos os países vem fazendo. É inevitável que a redução do dano na economia seja garantida pelo Estado brasileiro”, disse. “Não há outra saída, principalmente porque a arrecadação vai cai”.

Para ele, o governo precisa manter sua articulação e comando. “Precisa tomar essas decisões que eu espero que ocorram nos próximos dias que terão total apoio aqui no parlamento”.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.