Porto Alegre, Goiânia e São Paulo têm mais casos de câncer no Brasil

Capital gaúcha foi a cidade com maior incidência entre 2000 e 2005, diz Inca; homens são maioria

Agência Brasil

26 Novembro 2010 | 17h49

BRASÍLIA - Porto Alegre, Goiânia e São Paulo são as cidades do País que registraram mais casos de câncer entre 2000 e 2005, tanto em homens quanto em mulheres. Os dados estão no quarto volume da série "Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional", lançado nesta sexta-feira, 26, pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca).

A capital gaúcha foi o município com a maior média de incidência da doença no período analisado. Entre os homens, foram registrados 404,16 casos por 100 mil habitantes. No público feminino, foram 286,18 por 100 mil.

Goiânia e São Paulo registraram mais de 300 casos por 100 mil pessoas. A menor taxa de incidência foi observada em João Pessoa, na Paraíba, com 182,42 entre homens e 177,45 entre mulheres.

De acordo com a publicação, os tipos de tumor mais frequentes nos homens são os de pele (não melanoma), próstata e pulmão. Já nas mulheres, os mais diagnosticados são os de pele (não melanoma), mama e colo do útero. Outro dado da publicação é que cerca de 44% do total de cânceres registrados é do tipo in situ - que, se tratado adequadamente, tem quase 100% de chance de cura.

A pesquisa apresenta a incidência de diversos tumores em 17 cidades brasileiras, sendo 16 capitais. Os dados pretendem identificar os principais tipos da doença que atingem a população nas cidades que monitoram os casos. As informações são usadas para planejar iniciativas de prevenção e detecção precoce.

A divulgação do estudo marca as ações do Dia Nacional de Combate ao Câncer, comemorado neste sábado, 27. A série "Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Câncer de Base Populacional" foi lançada pela primeira vez em 1991. A expectativa é de que a próxima publicação seja divulgada em cinco anos.

Mais conteúdo sobre:
câncer Inca Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.