John Marshall Mantel/The New York Times
John Marshall Mantel/The New York Times

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Devo tirar o sapato em casa? Posso sair de carro? Veja as respostas segundo o Ministério da Saúde

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Saiba o que se pode fazer para passear com seu cachorro, com as crianças e em outras situações

Anne Warth, Felipe Frazão, Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2020 | 21h24
Atualizado 23 de março de 2020 | 18h32

O Ministério da Saúde esclareceu neste sábado, em entrevista coletiva, uma série de dúvidas sobre as orientações para o período de isolamento social imposto pelo novo coronavírus. Posso levar meu cachorro para passear? Posso levar meus filhos ao parquinho? Posso sair para correr na rua? Posso andar de bicicleta?

As respostas são praticamente as mesmas para todas as perguntas: é preciso evitar aglomerações. 

Segundo o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, e o secretário de Vigilância Sanitária, Wanderson Oliveira, as regras são as seguintes:

  1. Andar de elevador com mais de quatro pessoas nem pensar. Aguarde o próximo. Uma pessoa doente no elevador pode contaminar outras. Também tome cuidados de higiene ao apertar botões para subir e descer.
  2. Levar o cachorro para passear é permitido.
  3. Andar de carro, só com as janelas abertas. Esqueça o ar condicionado.
  4. Exercícios físicos ao ar livre estão permitidos, mas não em grupo. “Se for uma corrida ou caminhada em um parque e tiver aglomeração, você estará numa situação não recomendada”, informa o Ministério da Saúde.
  5. Missa ou culto religioso, jamais.  “Isso não significa fechar a igreja. Ela pode permanecer aberta para alguém ir lá rezar”, afirma o secretário-executivo do ministério.
  6. Levar os filhos no parquinho pode, mas desde que não haja aglomeração de crianças e que se adote medidas de higiene.
  7. Sair na rua para conversar com os amigos e vizinhos também não pode. Reunião de amigos no condomínio? Também não pode. “Não há neste momento uma restrição absoluta, mas é preciso ter cuidado com as orientações de isolamento social”, afirmou o secretário Gabbardo. “O que se pede é cuidado nas aglomerações e etiqueta social”, disse ele.
  8. Preciso tirar os sapatos para entrar em casa? O ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta diz que não só pelo coronavírus, mas por uma questão de higiente. Ele afirmou que ele mesmo faz isso. 
  9. O ministro da Saúde ainda deu orientações para abrir janelas e deixar a casa o mais ventilada possível. "Abram suas casas e deixem o ar circular, para impedir que gotículas de saliva possam contaminar outras pessoas", afirmou, neste domingo, 22. 

O Ministério da Saúde também esclareceu que vídeos divulgados nas redes sociais a respeito de testes físicos para diagnóstico do novo coronavírus são falsos. Gabbardo se referiu especificamente a um vídeo que viralizou, segundo o qual uma pessoa que consegue prender a respiração por alguns segundos não tem a doença. “É fake news”, afirmou.

O secretário-executivo fez, ainda,  um apelo para que a população faça sua parte para conter o avanço do novo coronavírus no País. Na avaliação dele, não se deve esperar que apenas o poder público adote ações para impedir a evolução da doença.

Gabbardo pediu a todos que fiquem em casa como forma de proteger a própria família, principalmente os mais velhos. “Estamos chegando em um momento difícil. Todos nós temos que ter uma decisão e um engajamento pessoal”, afirmou. “Cada um de nós terá que fazer sua parte, com calma, tranquilidade. Não adianta ter pânico.”

Ele reforçou o apelo para que as pessoas passem mais tempo em casa e evitem ficar nas ruas. “O número de casos, óbitos e internações pode estar na nossa mão, se cada um fizer sua parte para reduzir”, disse. “Esperamos que a população entenda que cada medida de precaução não é apenas para si mesmo, mas, principalmente, para a sua família, para os de mais idade, e para o seu próximo. E esperamos que seja por pouco tempo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.