REUTERS/Bruno Kelly
REUTERS/Bruno Kelly

Posto de saúde de Manaus tem 52 profissionais afastados em uma semana por covid-19

Irmãos ficaram um dia à espera da mãe; Amazonas já registrou 182 óbitos pela doença

Célio Andrade Silva, especial para o Estado

20 de abril de 2020 | 10h00

MANAUS - No Serviço de Pronto Atendimento da Alvorada, zona oeste de Manaus, a chegada de pacientes é crescente e os relatos são de estrutura precária, com falta de respiradores ou de técnicos para trocar o cilindro de oxigênio. E os profissionais de saúde do local também se somam à lista de doentes: em uma semana, 52 testaram positivo para o novo coronavírus; no Amazonas, são 376 afastados. Houve ainda nove mortes — três médicos, quatro técnicos de enfermagem, um gestor e um profissional de outra categoria.

Quinto Estado com mais notificações, o Amazonas tem 2.044 casos registrados e 182 mortes, segundo o Ministério da Saúde. A secretária estadual da Saúde, Simone Papaiz, não reconhece colapso do sistema, mas admite sobrecarga.  “Todas as unidades estão no seu limite máximo de capacidade operacional”, disse. “Isso impacta no atendimento." Neste domingo, 19, o ministério prometeu envio de 15 respiradores ao Estado

No posto da Alvorada, um dos médicos descreveu, sem se identificar, a falta de estrutura. “Quatro pacientes vieram a óbito por falta de ventiladores. Durante a madrugada, houve relato de falta de oxigênio. Não tinha profissional para trocar o cilindro de oxigênio e seis vieram a óbito”, disse.

Do lado de fora, Anderson Rocha, de 37 anos, e o irmão André da Silva, de 39, aguardam a liberação da mãe, Elzanira, de 58 anos. Eles moram no bairro Tancredo Neves, na zona leste de Manaus, mas foram para o outro lado da cidade buscar atendimento à mãe, que reclamava de dores no corpo e no peito. Chegaram ao local na sexta, 17, e ficaram ao menos um dia pela parente. Segundo eles, os enfermeiros não queriam liberar a mulher por falta de teste para covid-19.

Enquanto esperam, os irmãos acompanhavam assustados a movimentação no necrotério. De acordo com ambos, foram dez mortes no período de espera. “Tem uma mulher lá que está esperando a mãe há dez dias. Daí de dentro, só está saindo morto”, afirmou André.

Além do hospital público de referência, o Delphina Aziz, Manaus tem os hospitais 28 de Agosto, Platão Araújo e João Lúcio, além do Nilton Lins, aberto no fim de semana, com 32 vagas de UTI e 100 leitos regulares, para desafogar o atendimento das outras unidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.