NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Posto volante vacina contra febre amarela na Rodovia dos Tamoios

Vírus da febre amarela está presente em matas da região; Instituto Adolfo Lutz confirmou uma morte pela doença no início de novembro em Caraguatatuba

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2018 | 14h49

SOROCABA – Um posto volante vai oferecer vacina contra a febre amarela a quem for viajar para o litoral norte de São Paulo, durante o feriado prolongado de 15 de novembro. A unidade irá operar no km 19 da Rodovia dos Tamoios, a partir das 13 horas desta quarta-feira, 14, até as 18h, reabrindo na quinta, 15, das 8h até as 17 horas.

A iniciativa da Secretaria da Saúde do Estado, com apoio da Secretaria de Logística e Transportes e da Concessionária Tamoios, pretende imunizar os viajantes que ainda não se vacinaram contra a doença.

A medida decorre da presença do vírus da febre amarela em matas da região. No dia 5 último, o Instituto Adolfo Lutz confirmou um óbito por febre amarela em que a vítima, de 26 anos, se contaminou numa área rural de Caraguatatuba, próxima da rodovia. Ele teria se recusado a tomar a vacina.

Houve outros 14 casos na região, dos quais cinco evoluíram para óbito. Foram 11 casos e 3 óbitos em Ubatuba, e 3 casos e 2 óbitos em São Sebastião.

O posto será instalado no Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) no km 19 da Rodovia. As doses serão aplicadas por profissionais da Vigilância Epidemiológica de São José dos Campos. Material informativo e mensagens nos painéis da rodovia informarão sobre o serviço, com o alerta sobre “área de risco de febre amarela”.

Conforme a Secretaria da Saúde, como a vacina demora até dez dias para fazer feito, mesmo quem for vacinado deve evitar, nos dias seguintes, adentrar áreas verdes. Se for inevitável, a pessoa deve usar repelentes e roupas compridas, de cor clara.

Segundo o último balanço epidemiológico, este ano, até 23 de outubro, houve 502 casos autóctones de febre amarela silvestre confirmados no Estado. Desses, 175 resultaram em mortes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.