Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Prefeitura de São Caetano do Sul
Prefeitura de São Caetano do Sul

Prefeito de Florianópolis defende uso de tríplice viral contra covid; especialista faz ressalvas

UFSC e a secretaria municipal de saúde emitiram nota alertando para que as pessoas não procurem postos de saúde ou clínicas privadas em busca do imunizante

Fábio Bispo, Especial para o Estadão

11 de março de 2021 | 15h00

FLORIANÓPOLIS - O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), afirmou em suas redes sociais nessa terça-feira, 9, que cogita usar a vacina tríplice viral como estratégia para combater a covid-19 nas próximas semanas. De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o imunizante contra o sarampo, caxumba e rubéola diminuiu em 54% as chances de infecção pelo novo coronavírus em 430 voluntários.

Os pesquisadores demonstram entusiasmo com os primeiros resultados, mas pedem cautela. Edison Natal Fedrizzi, coordenador do estudo, explica que os resultados são semelhantes aos obtidos com outros imunizantes, e que não se trata de tratamento precoce. “Estão de acordo com a literatura, algumas outras vacinas têm essa característica”, afirma. “A tríplice seria uma medicação com indicação de melhorar nossa imunidade, a ponto de que, teoricamente, ela diminuiria a concentração de carga viral”.

A tríplice viral - como é conhecida a vacina MMR -, usa microorganismos vivos e atenuados. Segundo os pesquisadores, estudos têm demonstrado que o imunizante apresenta resposta a vários outros agentes, a chamada imunidade heteróloga. Nos testes em Florianópolis, os voluntários tomaram uma nova carga da vacina, independente de terem sido imunizados com as duas doses na infância, como é o indicado.

A previsão é concluir o estudo ainda em março, após traduzir e submeter para revisão independente da comunidade científica. “Para um programa estadual ou nacional, são necessários critérios. Neste momento, estamos trabalhando no artigo, fazendo avaliação de resultados, para quando tivermos esses dados publicados que eles possam embasar o uso da vacina”, explicou Fedrizzi.

“Em hipótese alguma, a vacina tríplice viral irá substituir a vacina específica. No entanto, seria muito útil se fosse possível vacinar os grupos não prioritários”, afirma o médico.

A reportagem tentou contato com o prefeito de Florianópolis para esclarecer quando e como o município pretende aplicar a tríplice viral, mas não obteve respostas. Aos internautas, o prefeito afirma que a prioridade seriam os mais novos: ”A ideia seria utilizar em grupos não prioritários, maiores de 18 anos, que vão demorar um pouco mais para receber a vacina da covid. Esse grupo também é o que mais contagia. Com menor carga viral, menor potencial de contágio e menos internação (sic)”.

A UFSC e a secretaria municipal de saúde emitiram nota alertando para que as pessoas não procurem postos de saúde ou clínicas privadas. Na nota, os órgãos avisam que qualquer movimento para uso da vacina da tríplice viral como estratégia de combate à covid-19 será alvo de “campanhas oficiais dos órgãos sanitários no sentido de orientar devidamente a população sobre grupos, datas e locais de acesso”.

O estudo é realizado por uma equipe de 20 profissionais, entre médicos e enfermeiros, do Centro de Pesquisas do Hospital Universitário da Federal de Santa Catarina, sob a coordenação do médico ginecologista Edison Natal Fedrizzi.

Santa Catarina é o 17º Estado no comparativo do porcentual de vacinados contra a covid-19 no Brasil e enfrenta o pior momento da pandemia, com colapso no sistema de saúde, sem vagas de leitos em UTIs. A média nas últimas duas semanas foi de 71 óbitos diários, 997 sepultamentos desde 25 de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.