TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Prefeitura de São Paulo já recebeu 6,9 mil denúncias de 'furos' da quarentena do coronavírus

Na capital, 30 estabelecimentos foram fechados e um levou multa de R$ 9,2 mil

Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2020 | 12h00

A Prefeitura de São Paulo recebeu 6.899 denúncias sobre estabelecimentos comerciais que não respeitaram a quarentena, entre 20 e 30 de março, pela Central 156 e o Portal SP156. Até agora, 30 estabelecimentos foram fechados por desrespeitar as regras de isolamento social, medida para evitar o avanço do novo coronavírus na capital paulista. 

Desde 20 de março, a gestão Bruno Covas (PSDB) determinou o fechamento de lojas, shoppings, salões de festa, casas noturnas, entre outros estabelecimentos em São Paulo. Bares e restaurantes podem funcionar, desde que sigam regras de higiene. Serviços considerados essenciais, como farmácias e mercados, continuam abertos. 

"Os locais que descumprirem o exposto no decreto estão sujeitos à interdição imediata de suas atividades e, em caso de resistência, cassação do alvará de funcionamento ou TPU/Autorização Temporária", informou a Secretaria  Municipal das Subprefeituras, em nota. Um estabelecimento chegou a ser multado em R$ 9.231, 65,, conforme a Lei 16.402.  

"É importante ressaltar que o objetivo não é multar, mas, sim, evitar aglomerações para reduzir o risco de transmissão do coronavírus para proteger a população, conforme as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS)", acrescentou o Município. 

Atuação de fiscais varia entre os bairros

Alguns comerciantes que trabalham em áreas mais movimentadas têm visto a fiscalização aumentar. Edilson Fernandes, gerente de um açougue localizado em uma avenida com muitos comércios na Lapa, zona oeste, conta que a presença de agentes da prefeitura vem se intensificando. “Não é todos os dias, mas tenho visto com mais frequência a fiscalização, principalmente em relação aos vendedores ambulantes”, relata.

Por outro lado, nas regiões que concentram menos estabelecimentos comerciais, os vendedores dizem não ter mudado muita coisa. Eduardo Nicolas é gerente de uma hamburgueria em uma área predominantemente residencial da Barra Funda, também na zona oeste. Para ele, a fiscalização no local não aumentou. “Não vejo nenhuma fiscalização por aqui. O movimento de policiais e guarda civis permanece o mesmo”, conta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.