Edson Hatakeyama/ Prefeitura de São Paulo
Edson Hatakeyama/ Prefeitura de São Paulo

Prefeitura de SP vê aumentar pedidos para transferência de pacientes; 150 estão na fila por leitos

Gestão municipal diz ter aberto novas vagas diante da alta de infecções. Alta de casos e internações pressiona sistema local. Governo decidiu restringir medidas para frear propagação do vírus

Pablo Pereira e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2021 | 21h17
Atualizado 03 de março de 2021 | 21h39

A cidade de São Paulo tinha na noite desta quarta-feira, 3, 150 pacientes na fila por leitos de enfermaria e em unidades de terapia intensiva (UTIs) de hospitais públicos – estaduais e municipais. Pela manhã, a lista de espera chegou a ter 450 nomes – normalmente são 250 pedidos pela manhã. A alta de casos e internações tem pressionao o sistema de saúde de todo o Estado. O governo anunciou nesta quarta que vai restringir as medidas para frear a propagação do vírus. 

O secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, diz que vai monitorar a tendência nos próximos dias. A alta de infecções também levou à abertura de mais leitos esta semana. De acordo com a pasta, os números de espera por vaga são dinâmicos e a Central de Regulação de Urgências atua 24 horas por dia para organizar os pedidos de transferência.

Aparecido explicou que o número é referente a pacientes que já estão na rede, mas precisam alterar o tipo de atendimento, de acordo com a gravidade do quadro. “Não estão esperando em casa. Os pedidos ocorrem todos os dias e vamos administrando. Vamos ver como vem amanhã (quinta-feira) para entender a tendência”, disse. 

O sistema de saúde paulistano recebe muitos pacientes vindos de fora da capital. Em entrevista ao Estadão semana passada, Aparecido estimou que 22% dos pacientes não eram residentes de São Paulo. A alta de casos no interior também pressiona os hospitais do Estado.

A Prefeitura diz que abriu na segunda 124 leitos – 100 de UTI e 24 de enfermaria, exclusivos para a covid-19.  No Hospital da Brasilândia, 34 leitos de enfermaria foram transformados em UTI. Antes da pandemia, segundo  a pasta, a cidade tinha 507 UTIs. No auge da crise sanitária, eram 1.340.

A Secretaria da Saúde do Estado afirma apoiar eventuais deslocamentos de pacientes entre hospitais ou cidades, quando preciso. Nos últimos sete dias, segundo a pasta, a média foi de 738 regulações do tipo. Cidades como Araraquara, onde houve um lockdown de seis dias, enviam pacientes para outros municípios. 

Em Campinas, a prefeitura requisitou o Hospital Metropolitano da cidade e seus equipamentos. A decisão foi publicada no Diário Oficial e nesta terça-feira, 2, agentes municipais impediram a entrada de funcionários. A diretoria da unidade repudiou a ação e foi à Justiça para obter reintegração de posse.

Secretário se reúne com executivos da Janssen

O secretário Edson Aparecido se reuniu com executivos da farmacêutica Janssen, da Johnson & Johnson, para discutir a possibilidade de aquisição de vacinas. Em videoconferência, Aparecido ouviu que a empresa negocia com o Ministério da Saúde, mas os representantes solicitaram a apresentação de um pedido formal de aquisição para seguir nas tratativas. 

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira, 3, que acertou a compra de 99 milhões de doses da vacina da Pfizer e negocia a aquisição do imunizante da Janssen, após meses rejeitando propostas destas empresas. /COLABOROU MATEUS VARGAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.