Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Prefeitura diz que dívida da USP trava convênio com Hospital Universitário

Parceria era a principal aposta da reitoria para recompor o quadro de servidores; unidade fechou pronto-socorro infantil nesta terça

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2017 | 06h00

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo informou que a Universidade de São Paulo (USP) está inadimplente com o Município, o que inviabiliza a contratação de médicos para o Hospital Universitário (HU). O convênio era a principal aposta da reitoria da instituição para recompor o quadro de servidores e retomar os atendimentos. Nesta terça-feira, 21, a unidade fechou o pronto-socorro infantil.

+++ Hospital da USP fecha pronto-socorro pediátrico na terça-feira

Procurada, a universidade não se posicionou sobre a suspensão dos atendimentos ou sobre a assinatura do convênio. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, foi verificado nesta terça que a USP está inscrita no Cadastro Informativo Municipal (Cadim), o que impede novos repasses pelo Município, como a contratação de médicos para atuar no pronto-socorro do HU.

+++ Alunos de Medicina da USP iniciam greve por Hospital Universitário

O promotor Artur Pinto Filho diz que vai agendar nova reunião para os próximos dias em busca de uma solução para o HU. “É a única unidade da região que oferece atendimento médico dessa complexidade. A população não pode ficar desassistida”, diz. 

+++ Em crise financeira, hospital da USP limita atendimento pediátrico

Lavínio Camarim, presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremesp), diz que a entidade planeja uma fiscalização no HU, já que há uma preocupação com as condições de trabalho e atendimento à população.

 

“A proposta mais concreta que havia para amenizar a situação foi inviabilizada. Estamos preocupados e com receio do fechamento de outras especialidades médicas.”

Alunos de Medicina já estão há oito dias em greve contra a redução de atendimentos na unidade. “A situação vem se agravando. Nem reitoria nem a superintendência do HU respondem aos questionamentos do Cremesp. Não é a atitude esperada de quem ocupa cargos públicos dessa monta”, diz Camarim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.