NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Prefeitura recebe 9,7 mil denúncias contra comércios que furam quarentena; 50 são interditados

Administração municipal conta com 2 mil agentes no trabalho de fiscalização e conscientização sobre importância da medida para conter a propagação do coronavírus. Um bar foi multado em R$ 92, mil

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2020 | 05h00

A Prefeitura de São Paulo informou nesta segunda-feira, 6, que 50 estabelecimentos não essenciais foram interditados por não acatar a decisão de fechamento do comércio em razão do coronavírus. Um desses locais, um bar na região da Sé, centro da capital, foi multado no valor de R$ 9,2 mil. A administração municipal dispõe de 2 mil agentes trabalhando na conscientização em torno da importância da medida. 

Os canais 156 da Prefeitura (central telefônica, portal e aplicativo) recebem denúncias de quem fura a proibição. Até esta segunda, chegaram ao poder municipal 9.744 denúncias. "Os locais que descumprem o exposto no decreto estão sujeitos a interdição imediata de suas atividades e, em caso de resistência, cassação do alvará de funcionamento ou TPU / Autorização Temporária. Reiteramos que o objetivo não é multar, mas, sim, evitar aglomerações para reduzir o risco de transmissão do coronavírus para proteger a população", informou em nota a gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB).

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

A região da cidade que registrou o maior número de estabelecimentos interditados foi a Sé (20), seguida pela Lapa (10), Vila Prudente (5), Guaianases (4), Perus (3) e Mooca (2). Em Parelheiros, Ipiranga, Penha, Aricanduva, Ermelino Matarazzo e Santana/Tucuruvi houve uma sanção contra estabelecimentos em cada uma dessas regiões. "Os mesmos serão desinterditados após o cumprimento do decreto, caso não tenham sua licença de funcionamento cassada. Vale dizer que a população tem majoritariamente cumprido a determinação dos decretos municipais."

Nesta segunda-feira, 6, o governador João Doria (PSDB) prorrogou a quarentena em São Paulo. A medida começou no Estado no dia 24 de março e teria validade até esta terça-feira, 7, mas foi prorrogada por mais 15 dias, até o dia 22 deste mês. O Estado já identificou, entre a terceira semana de março e a primeira semana de abril, redução do número de pessoas que continuaram dentro de casa. Segundo estimativas do governo, o total de mortes nos próximos seis meses deve chegar a 111 mil, mesmo com as medidas de isolamento. Sem a quarentena, o número de óbitos projetado é de 277 mil até outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.