Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Preocupação estética pode estar prejudicando resultados da cirurgia de câncer de mama, indica estudo

Alerta é feito em levantamento feito pelo hospital Sírio-Libanês; pesquisadores encontraram resíduo de tecido mamário em quase 30% dos casos estudados

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2019 | 12h05

SÃO PAULO -  A crescente preocupação em tornar a cirurgia de câncer de mama menos mutilante pode estar aumentando a ocorrência de sobra de tecido mamário após a operação, o que eleva o risco de recidiva do tumor.

O alerta foi feito por pesquisadores do Hospital Sírio-Libanês em estudo que avaliou, por meio de exames de imagem, mulheres que passaram por mastectomia (cirurgia para retirada completa da mama).

Na análise, os cientistas encontraram resíduo de tecido mamário em cerca de um terço dos 501 casos estudados (29,9%). O índice foi maior quando considerado o grupo de pacientes submetidas a técnicas de mastectomia menos mutilantes, que preservam estruturas como pele, aréola e mamilo.

Nesse último caso, o índice de casos em que houve sobra de tecido chegou a 51,6%. Para não haver distorção dos resultados, os índices acima não consideram os casos em que a sobra foi verificada na região da aréola, onde tradicionalmente há tecido mamário remanescente.

Os pesquisadores verificaram ainda que a espessura média da pele deixada pelos cirurgiões foi de 9,6 milímetros, quando o recomendado é de 5,5 milímetros.

Para o cirurgião oncológico e mastologista José Luiz B. Bevilacqua, coordenador do serviço de mastologia do Hospital Sírio-Libanês e um dos autores da pesquisa, o resultado causa preocupação porque a mastectomia pode não estar sendo suficiente para tratar a doença. "Se tem sobrado resíduo de tecido mamário em espessura maior do que a recomendada, podemos estar passando uma falsa sensação de segurança à paciente, de que ela está livre da doença após a cirurgia. O ideal seria que todas fossem analisadas com mais cautela após a operação, para verificar se houve sobra e se seria indicada uma radioterapia", defende Bevilacqua.

Ele afirma que a preocupação de médicos e pacientes com o resultado estético da cirurgia de reconstrução de mama pode estar fazendo alguns cirurgiões não retirarem todo o tecido necessário. "Se a mulher está passando por um câncer, ela precisa ponderar que o tratamento oncológico é prioritário. E mesmo com uma mastectomia radical, conseguimos ter resultados estéticos muito bons", afirma. "Não sou contra a cirurgia de preservação de mamilo, porém é preciso manter fina a espessura do retalho de pele para não deixar tecido mamário além da base do mamilo", ressalta.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia, Antônio Luiz Frasson, o estudo é importante para que os cirurgiões fiquem atentos aos resultados obtidos em cada cirurgia. Ele ponderou, no entanto, que nem sempre é possível remover totalmente o tecido mamário ou deixar uma camada tão fina de pele. "O parâmetro tem que ser tirar o máximo de tecido possível mas com o cuidado de manter a vascularização atrás da pele para que não haja necrose, que é uma complicação gravíssima", explica ele.

Assim como Bevilacqua, Frasson ressalta que, quando a remoção completa do tecido mamário não é possível, a equipe médica deve avaliar a eventual necessidade de terapias complementares. "A pergunta que a gente tem que se fazer é se tem que complementar o tratamento com radioterapia e se a radioterapia pode compensar a não retirada completa do tecido", destacou.

O estudo dos pesquisadores do Hospital Sírio-Libanês levantou o debate sobre a eficácia da mastectomia em comparação com outras técnicas. O periódico científico International Journal of Radiation Oncology, onde a pesquisa foi publicada, fez um editorial em que questiona se a mastectomia pode ter resultados piores do que a cirurgia conservadora de mama (aquela em que só parte do órgão é retirado) combinada à radioterapia.

Para os especialistas brasileiros, ambas as técnicas têm indicação bem definida, mas é preciso que o cirurgião avalie, após a cirurgia, a necessidade de complementação do tratamento.

Três cirurgias até a cura

Foram necessárias três cirurgias para que a médica Marcia Cuminale, de 56 anos, se visse livre do câncer de mama que descobriu em 2009. Na época do diagnóstico, a paciente lembra de ter sentido um alívio quando foi informada que o seu caso exigiria um tipo de cirurgia menos invasiva: a quadrantectomia (ou cirurgia conservadora de mama), na qual apenas parte do órgão é removido. "Lembro que saí feliz da cirurgia porque estava viva e não era uma cirurgia tão agressiva", conta.

As biópsias do tecido retirado na operação, porém, mostraram várias lesões e levaram Marcia, mais tarde, a se submeter a uma mastectomia. "Foi feita a cirurgia, mas a pele e a aréola foram preservadas. Houve a intenção de deixar um pouco mais (de tecido)", diz.

Dois anos depois, a médica descobriu que a cirurgia mais abrangente também não tinha conseguido eliminar a doença. "O câncer voltou e eu tive que ir para a minha terceira cirurgia. Tiraram a aréola e uma grande quantidade de pele. Foram 12 horas no centro cirúrgico. A gente sai com um misto de sentimentos: triste por se sentir mutilada, mas aliviada por se livrar do tumor", diz.

Depois das cirurgias, Marcia ainda passou por terapias anti-hormonais para controle da doença. Em 2017, finalmente teve alta. "Hoje, vendo toda a dor física e psíquica que eu passei, lógico que eu diria que preferiria já ter feito a cirurgia mais radical de início. Mas é difícil saber como eu agiria se isso tivesse acontecido", pondera a paciente.

"Por isso que a ciência tem que se apegar aos dados estatísticos. Se os estudos mostram que preservar tecido aumenta o risco, a gente não precisa preservar tecido", defende.

Também vítima de um câncer de mama, a professora Silvia (nome fictício), de 42 anos, pensa que o tratamento oncológico deve tirar todo o tecido necessário. Quando recebeu o diagnóstico da doença, porém, em 2012, a paciente pensava diferente.

Junto ao medo da morte veio o da mutilação. "É um baque muito grande nessa parte feminina. Consultei dois médicos. Um era mais radical, queria tirar mais tecido na cirurgia. O outro disse que faria a mastectomia, mas que o seio reconstruído ficaria muito bonito, muito próximo ao natural, então escolhi pensando mais nessa questão estética", conta.

Na cirurgia, a professora teve mamilo, aréola e pele preservados. Um ano depois, porém, ela descobriu que a doença havia voltado. "Ainda tinha resquício de célula tumoral e me disseram que eu teria que fazer outra cirurgia", conta. "Fiquei muito chateada porque achei que a primeira cirurgia iria resolver o problema. Hoje eu acho que eu tinha que ter pensado só no aspecto da saúde."

Mas não é fácil. Silvia conta que, embora a sua maior preocupação fosse com a cura, era impossível não sentir-se abalada com a questão das sequelas que ficariam em seu corpo. "Conheci muitas mulheres que foram abandonadas pelo marido durante o tratamento. Meu marido e minha família sempre me deram muita força, mas a gente fica muito sensível", diz.

Na segunda operação, Silvia teve que passar por uma mastectomia mais radical, na qual foram retirados mamilo e aréola. Depois do procedimento, feito em 2013, a doença foi eliminada. A professora passou por nova reconstrução da mama e diz ter ficado impressionada com o resultado. "Ficou muito bom. Não imaginava que seria possível ficar uma aparência natural fazendo uma cirurgia tão radical. Se eu soubesse, não teria tido tanto medo da cirurgia."

Tudo o que sabemos sobre:
câncer de mama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.