Chris Wattie/Reuters
Chris Wattie/Reuters

Presidente da África do Sul anuncia novas políticas contra aids

Governo planeja início de tratamento mais cedo para mulheres grávidas e expansão dos testes de HIV

Agência Estado,

01 Dezembro 2009 | 10h18

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, afirmou nesta terça-feira, 1, que seu governo irá tratar mais pacientes com aids e expandirá os testes de HIV. O líder fez o anúncio diante de uma multidão em festa, no evento para marcar o Dia Mundial de Luta Contra a Aids.

 

Veja também:

linkAgulha contaminada infecta 20% dos africanos HIV positivos

linkEUA farão conferência de Aids após fim de veto a soropositivos

linkOMS recomenda abandonar droga anti-HIV estavudina

linkChina vai retirar proibição de entrada de soropositivos no país

linkEstudo rejeita tese de que aids avança para o interior do Brasil

 

Zuma disse que as mudanças incluem o início do tratamento mais cedo para mulheres grávidas e para pacientes que têm tanto tuberculose como HIV. A África do Sul tem 5,7 milhões de pessoas infectadas com o HIV, o vírus causador da aids, mais que qualquer outro país do mundo.

 

O Ministério da Saúde demonstrou, no governo anterior a Zuma, desconfiar da eficácia dos medicamentos para manter os pacientes com aids vivos, e ao invés disso promovia tratamentos com alho. Já o governo de Zuma estabeleceu a meta de tratar 80% dos que necessitam dos medicamentos contra a aids até 2011. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.