Reuters/Nasa TV
Reuters/Nasa TV

Presidente italiano fala com astronautas da ISS antes da partida da Soyuz

Astronauta Paolo Nespoli é um dos tripulantes da nave russa que parte da ISS nesta segunda-feira

estadão.com.br,

23 Maio 2011 | 14h34

SÃO PAULO - Astronautas da Estação Espacial Internacional (ISS) receberam na manhãs desta segunda-feira a ligação do presidente italiano Giorgio Napolitano. A ligação durou pouco menos de 20 minutos e foi dirigida principalmente aos dois tripulantes italianos, Paolo Nespoli e Roberto Vittori.

Veja também:

videoAssista ao vídeo da conversa entre o presidente e os astronautas italianos

Durante a conversa, o presidente quis saber ser era possível ver o canal de Veneza e as famosas gôndolas. Nespoli respondeu que era possível ver balsas, mas não gôndolas. Ele também falou sobre as paisagens de "tirar o fôlego" da Terra.

Os astronautas aproveitaram a conversa para falar ainda da bandeira que o presidente entregou a Vittori por conta da comemoração dos 150 anos da unificação da Itália. Ela viajou com ele até a estação espacial a bordo do Endeavour e agora retornará com Nespoli à Terra a bordo da nave russa Soyuz, que parte nesta segunda-feira.

Nespoli também aproveitará a viagem de volta para atender a uma solicitação da Nasa. Ele irá fotografar o ônibus espacial Endeavour atracada à ISS e tentará enquadrar a Terra na imagem.

"Esperamos que esta foto apareça nos livros nos próximos anos", disse Kenneth Todd, diretor da Nasa. "Será ótimo ter o ônibus espacial representado lá conosco e com os parceiros internacionais".

Enquanto o comandante russo Smitry Kondratyev posiciona a nave, Paolo irá tirar fotos e gravar vídeos para a Nasa. Caso o combinado não dê certo por algum problema técnico, a agência norte-americana terá apenas mais uma oportunidade para obter a foto do jeito que eles imaginaram. Será com a partida do ônibus espacial Atlantis, em 8 de julho. Mas a manobra seria muito mais complicada e a empreitada ainda não foi autorizada pela Rússia.

A foto tem grande importância para a Nasa porque ela encerrará o programa de ônibus espaciais, que durou 30 anos, após o retorno do Atlantis. As naves serão expostas em museus e os astronautas viajarão à ISS a bordo da Soyuz ou de naves de outros países, como o Japão. Com um custo muito alto, o programa da agência será substituído por serviços de transportes espaciais de empresas particulares.

Mais conteúdo sobre:
Soyuz espaço Nasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.