Presidente quer obrigar senegaleses a fazer teste de HIV

Os senegaleses que vivem no exterior e que voltarem terão que se submeter a um exame obrigatório

Efe,

07 de outubro de 2009 | 17h37

O presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, quer que todos os senegaleses que passarem uma longa temporada no exterior se submetam a exames de HIV quando voltarem ao país, informou nesta quarta-feira, 7, a imprensa local.

 

"Os senegaleses que vivem no exterior e que voltarem terão que se submeter a um exame obrigatório para aids", disse Wade durante uma conferência internacional sobre pesquisa e desenvolvimento.

 

"Dizem que o teste obrigatório é uma violação aos direitos humanos. É uma violação aos direitos do homem. E os direitos da mulher?", questionou Wade, segundo quem as senegalesas "também têm direito a não serem contaminadas".

 

O Senegal é considerado um dos países africanos menos afetados pela aids. A incidência da doença e do vírus HIV no país é inferior a 2%.

 

Wade teria decidido impor os testes porque estudos recentes indicam que as regiões senegalesas em que há mais migração, o nordeste e o centro, são as mais afetadas pela aids.

Tudo o que sabemos sobre:
aidsSenegal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.