Preso suspeito de vender laxante como abortivo pela internet

Homem comercializava o produto há cerca de quatro anos; polícia ainda procura outro suspeito do crime

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

24 Fevereiro 2010 | 09h09

Maury Soares Junior, de 32 anos, foi preso em flagrante na segunda-feira, 22, em Maringá, no Paraná, durante a Operação Anjos, deflagrada por policiais do Núcleo de Repressão aos Crimes Econômicos (Nurce).

 

Ele é suspeito de vender ilegalmente medicamentos abortivos pela internet. Um outro suspeito foi indiciado. Foram apreendidos 100 comprimidos de laxante, que a dupla vendia como remédios abortivos. De acordo com o delegado do Nurce de Maringá, Fernando Ernandes Martins, os dois homens vendiam o produto há cerca de quatro anos.

 

A polícia seguiu Maury de uma agência dos Correios até a casa dele, no bairro Vila Nova, onde prendeu o suspeito em flagrante. Segundo a polícia, ele teria postado uma correspondência, com destino a Curitiba, que continha laxativos. "Junto com os medicamentos, eram enviados um vidro vazio e um manual, dando instruções à gestante de como tomar o medicamento", explicou o delegado Fernando Martins.

 

A polícia cumpriu mandado de busca e apreensão na residência do suspeito, onde foram apreendidos 20 frascos de medicamentos vazios, 100 comprimidos laxantes, que eram vendidos como abortivos das marcas Cytotec e Mifeprex, computadores portáteis, usados para as negociações, além de comprovantes de envios dos correios entre outros documentos. Todos os objetos apreendidos foram encaminhados à perícia.

 

A polícia identificou o irmão de Maury Junior, Maico Rodrigues Soares, de 22 anos, como outro participante da venda ilegal de medicamentos. Um segundo mandado de busca e apreensão à residência de Soares também foi cumprido. Os policiais encontraram mais comprimidos e mais documentos que comprovam o envio desses medicamentos pelos Correios.

Mais conteúdo sobre:
prisao abortivo laxante internet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.