Brian Snyder/Reuters
Brian Snyder/Reuters

Primeiro paciente com rosto transplantado nos EUA aparece em público

Dallas Wiens fará tratamento para recuperar a função dos músculos faciais e o tato em parte do rosto

LAUREN KEI, REUTERS

09 Maio 2011 | 19h05

A primeira pessoa a receber um transplante facial nos Estados Unidos apareceu em público na segunda-feira, dizendo que pretende em breve ir para casa, no Texas, para ficar com sua filha, que achou o novo rosto do pai bonito.

Dallas Wiens, 26, sofreu uma queimadura que o desfigurou em 2008. Há dois meses, ele foi submetido a uma cirurgia de 15 horas para ganhar uma cara nova. Ele disse que, desde então, o momento mais gratificante foi quando encontrou sua filha.

"Ela ficou maravilhada. Ela disse: 'Papai, você está tão bonito'", disse Wiens numa entrevista coletiva no Hospital Brigham and Women's, ligado à Universidade Harvard, em Boston.

Uma junta de mais de 30 especialistas substituiu nariz, lábios, pele, músculos e nervos, usando tecido de um doador anônimo.

"Para mim, o rosto parece natural. Parece que ele se tornou meu mesmo", disse Wiens, em fala lenta, mas clara.

Antes do transplante, ele estava sem olfato, tinha dificuldade para respirar, e já havia passado por mais de 20 cirurgias em Dallas. Depois da operação, voltou a sentir cheiros - a começar pela lasanha do hospital, o que achou deliciosa.

Os médicos, que não conseguiram devolver a visão ao paciente, haviam dito após a cirurgia que ele não se pareceria nem com o doador nem o que era antigamente. Na segunda-feira, ele estava com óculos escuros, e o rosto parecia ligeiramente caído para um lado. A barba está voltando a crescer, e ele tem uma vasta cabeleira.

Wiens, que se feriu ao ser atingido por um cabo de alta tensão quando pintava uma igreja sobre um guindaste, disse que pretende agora fazer uma faculdade.

Os próximos seis a nove meses ainda serão destinados a treinos para que ele recupere a função dos músculos faciais e o tato em parte do rosto, segundo os médicos.

"Cada passo no caminho foi incrível", disse Wiens. "A sensação é de aprender a fazer tudo de novo, mas de uma forma muito real, muito boa."

O mesmo hospital realizou em abril o segundo transplante facial na história dos EUA, com um homem de 30 anos que ficou desfigurado ao levar um choque de alta tensão após um acidente de trânsito em 2001.

Charla Nash, de Connecticut, mordida por um chimpanzé em 2009, está na lista de espera para a cirurgia, segundo o hospital.

O primeiro transplante facial da história foi feito em 2010 na Espanha.

Mais conteúdo sobre:
EUA TRANPLANTE ROSTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.