Primeiro voo tripulado para o espaço completa 50 anos hoje

Documentos secretos da União Soviética revelam as últimas palavras do cosmonauta Yuri Gagarin antes do lançamento

Efe e Reuters,

12 Abril 2011 | 06h00

Seu voo de 108 minutos para o espaço há 50 anos marcou um novo horizonte para a humanidade e da noite para o dia transformou um trabalhador do campo chamado Yuri Gagarin em um dos heróis do século.

Veja também:

blog Saiba mais sobre Yuri Gagarin

blog  ESA lança homenagem a Gagarin

blog Google e Nasa comemoram voo de Gagarin

linkExposições e caminhada marcam comemorações da viagem de Gagarin

 

Mas meio século depois de sua aventura ter incentivado a corrida espacial entre a União Soviética e os Estados Unidos, a Rússia libera agora documentos secretos contrários aos rumores de que o cosmonauta foi assassinado por ordem do governo soviético.

 

As mais de 700 páginas de documentos confidenciais mostram, inicialmente, a breve conversa, que entrou para os anais da história, com o pai do programa espacial soviético, Sergei Korolev, que tentava acalmar os nervos do cosmonauta.

 

“O importante é que temos salsichão para acompanhar aguardente”, brincou Gagarin pouco antes de a nave “Vostok” ser lançada ao espaço em 12 de abril de 1961. “Aí você têm café da manhã, almoço e jantar. Embutidos, balas e chá. Ao todo, 63 peças. Vai voltar engordar”, falou à época Korolev, obsessivo para que o cosmonauta tivesse alimentos suficientes antes de retornar à Terra.

 

A integridade de Gagarin foi tal que até teve tempo de rir dos nervosos técnicos que o acompanharam até o interior da Vostok quando, devido a uma falha hermética, tiveram de retirar e colocar cada um dos 32 parafusos que selavam a escotilha.

 

Logo em seguida, Gagarin pronunciou o famoso “Poyekhali!”, ou “Vamos lá!”, após o qual deu início a volta no planeta em 108 minutos. “Os primeiros sempre são pessoas de sorte. É preciso reconhecer que o bem-sucedido voo de Gagarin foi em grande parte uma questão de sorte”, garante Anatoli Davydov, subchefe da agência espacial russa, Roscosmos.

Todos os 19 candidatos selecionados para o voo da Vostok-1 eram pilotos de teste, sem medo de velocidade e magros o suficiente para caber na pequena cápsula de dois metros de largura.

 

O charme da origem humilde da Gagarin pode ter ajudado a favorecer sua escolha e a de seu substituto, Gherman Titov. Nascido na vila de Klushino, a 150 km de Moscou, seu pai era carpinteiro e sua mãe ama de leite. A família foi forçada a viver em uma pequena cabana quando a vila foi queimada durante a ocupação alemã na Segunda Guerra Mundial.

 

Os voos experimentais realizados com animais, como a famosa cadela Laika em 1957, demonstraram que o estado vital piora dramaticamente a partir da terceira volta. Nem todos acreditavam que o voo tivesse sucesso, que Gagarin retornasse vivo e que não perderia a razão, portanto as autoridades soviéticas prepararam de antemão três versões oficiais sobre o fato.

 

Outra preocupação das autoridades dizia respeito à hipótese de Gagarin aterrissar fora do território soviético, por isso a agência oficial de notícias “Tass” preparou um documento informando todas as nações sobre a viagem do cosmonauta poderia aterrissar em seu solo.

 

O próprio Gagarin, muito consciente do risco da gravidade zero, escreveu uma carta a sua esposa, na qual dava permissão para casar-se novamente e pedia que educasse suas duas filhas “não como pequenas princesas, mas como pessoas normais”.

 

Finalmente, Tass emitiu um documento com o título de “Sobre o bem-sucedido retorno do homem do primeiro voo espacial” no qual dizia que “às 10h55 no horário de Moscou a nave espacial Vostok aterrissou na região prevista da União Soviética”.

 

“O piloto-cosmonauta major Gagarin comunicou: ‘Peço que informe ao Governo que a aterrissagem transcorreu com normalidade, que estou bem e não sofri qualquer lesão”, acrescentou.

Mais conteúdo sobre:
espaçoYuri Gagarin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.