Redes sociais/ Reprodução
Redes sociais/ Reprodução

Procuradoria do Espírito Santo pede que MP investigue 'invasão' de deputados a hospital

Acusação é de que parlamentares entraram em unidade referência no tratamento da covid-19 após fala do presidente Bolsonaro; deputados negam irregularidades

Matheus Brum, especial para O Estado

15 de junho de 2020 | 22h42

VITÓRIA - A Procuradoria-Geral do Espírito Santo (PGE) enviou ao Ministério Público do Estado uma notícia-crime contra os deputados estaduais Capitão Assumção (Patriota), Carlos Von (Patriota), Danilo Bahiense (PSL), Lorenzo Pazolini (Republicanos), Torino Marques (PSL) e Vandinho Leite (PSDB). Os seis parlamentares foram ao Hospital Estadual Dório Silva, na Serra, referência no tratamento da covid-19 no Estado, na sexta-feira, 12, e transmitiram a ida pelas redes sociais. A visita, segundo o governo estadual, não estava agendada.

A PGE acusa os deputados de terem cometido “invasão das instalações” do hospital e de terem colocado “em risco a vida de pacientes e servidores, já que os parlamentares transitaram por alas de tratamento de pacientes com covid-19 e nos demais setores do Hospital Dório Silva sem a observância dos protocolos sanitários vigentes para o combate da pandemia”.

O documento ainda indica que os parlamentares teriam sido motivados pela fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), feita pelas redes sociais no dia anterior da visita ao hospital. “Como é notório, o presidente incentivou seus seguidores a invadir hospitais para checar a ocupação de leitos”, disse a PGE em nota.

Por isso, a Procuradoria pede que a Justiça investigue o fato que, segundo a PGE, pode ser enquadrado no artigo 268 do Código Penal, na parte de “infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”. A pena pode variar de um mês a um ano e prisão, além de multa.

Procurados pelo Estadão, os parlamentares negaram ter agido por incentivo do presidente Jair Bolsonaro. “Os deputados organizaram a visita ao Dório Silva antes da fala do presidente da República. Não houve invasão e a entrada foi autorizada”, afirmou Carlos Von.

O deputado Lorenzo Pazolini encaminhou à reportagem uma imagem mostrando o momento em que a ida ao hospital foi definida. “Não houve invasão, tendo em vista que os parlamentares se identificaram e tiveram a entrada franqueada à unidade hospitalar, sendo inclusive acompanhados pelos servidores do hospital”, disse Panzolini.  

O deputado Vandinho Leite explicou que o grupo foi ao local averiguar possíveis irregularidades. Segundo ele, houve denúncias de falta de insumos, como máscaras, e medicação para sedar os pacientes internados. “As irregularidades encontradas em nossa fiscalização são de tamanha gravidade que merecerão as mais diversas reprimendas”.

Sobre a denúncia de que os deputados não seguiram os protocolos de segurança, Danilo Bahiense negou. “Utilizei os equipamentos de proteção individual (EPIs) e segui todas as medidas de assepsia orientadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

Procurados, os deputados Capitão Assumção e Torino Marques não responderam aos questionamentos.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.