Projeto da MTV para aids muda comportamento dos jovens, mostra estudo

Projeto do canal de música com apoio da ONU usou dramas para informar sobre riscos de contaminação

Reuters

20 Julho 2010 | 17h48

VIENA - Programas da MTV sobre HIV e Aids transmitidos para jovens em alguns dos países de mais alto risco na África e no Caribe exerceram forte efeito no comportamento em relação à doença, revela um estudo divulgado nesta terça-feira, 20.

Um projeto do canal de música MTV, com o apoio da ONU, usou dramas de televisão feitos para o público jovem para transmitir mensagens sobre os riscos de contaminação com o HIV decorrentes de sexo sem segurança, parceiros múltiplos e uso de drogas injetáveis, além de informar sobre exames, tratamento e superação do estigma relacionado à aids.

Pesquisadores dos EUA que estudaram o efeito dos programas sobre o público no Quênia, Zâmbia, e Trinidad e Tobago descobriram que eles modificaram o modo de os jovens pensarem sobre o HIV e a aids.

Agora, a MTV pretende levar o projeto a mais países, em um esforço para modificar atitudes. "Os resultados mostraram uma mudança realmente positiva em termos de ações, conhecimento e sentimento dos jovens de que agora compreendem os riscos e podem enfrentá-los", disse Susan Kasedde, especialista do Unicef (fundo da ONU para a infância, que patrocinou o projeto) em prevenção do HIV entre adolescentes.

Em 1998, a MTV lançou uma campanha intitulada "MTV Continuando Vivo". O canal de TV também produziu filmes, concursos e eventos com celebridades para conscientizar jovens sobre os riscos do HIV e da aids e para incentivá-los a falar sobre o assunto.

A África Subsaariana ainda é a região do mundo mais atingida pelo HIV: 67% dos 33,4 milhões de soropositivos do mundo vivem na região.

Um estudo divulgado na semana passada constatou que os jovens na África estão liderando uma "revolução" na prevenção do HIV e reduzindo a incidência da aids, ao praticar sexo seguro com menos parceiros sexuais.

Mais conteúdo sobre:
aidsHIVOMSMTV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.