Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

Projeto facilita internação involuntária de dependente químico

Texto aprovado em duas comissões do Senado dá ainda importância maior para comunidades terapêuticas

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2019 | 14h46
Atualizado 08 de maio de 2019 | 23h35

BRASÍLIA - Sob os gritos de “Glória a Deus” e aplausos de representantes de comunidades terapêuticas, o projeto de lei que reformula o Sistema Nacional de Políticas sobre Drogas foi aprovado nesta quarta-feira, 8, em duas comissões do Senado e deve ser votado na semana que vem no plenário da Casa. 

O texto endurece a pena para tráfico de entorpecentes, facilita a internação contra a vontade do dependente e impede que familiares decidam pela suspensão do tratamento. A alta desse tipo de internação pode ser decidida apenas pelo médico. O texto dá ainda uma importância maior para as comunidades terapêuticas, centros de reabilitação que na maioria funcionam com base em cultos de fé, terapia pelo trabalho e abstinência.

Existem cerca de 1,8 mil comunidades terapêuticas no País. Mais de 25% delas já recebem recursos do Ministério da Cidadania para abrigar dependentes de drogas. “É um avanço enorme, haverá mais estabilidade”, comemorou a presidente da Federação Centro-Oeste das Comunidades Terapêuticas, Aerolenes Nogueira. 

A proposta inclui as comunidades no Sistema Nacional de Políticas sobre Drogas e, portanto, dá garantia de recursos para tratamento de dependentes ali abrigados. O projeto permite ainda a dedução do Imposto de Renda da pessoa física ou jurídica de até 30% de quantias doadas a projetos de atenção a usuários de drogas. “Não é a forma mais eficaz de fazer política pública. Melhor seria que recursos de impostos fossem alocados para a União. Muito mais transparente e democrático”, afirmou o economista Marcos Lisboa.

Ministro da Cidadania e autor do projeto no período em que era deputado federal, Osmar Terra acompanhou a votação e comemorou a aprovação ao lado de representantes de comunidades terapêuticas. Entre eles estava o ex-senador Magno Malta, dono de uma instituição que atende cerca de cem dependentes. “Não recebemos recursos do governo nem precisamos”, garantiu o ex-senador.

O projeto é duramente criticado por grupos ligados a direitos humanos e à saúde coletiva. Uma das principais queixas é de que a proposta abre caminho para injetar recursos públicos nas comunidades terapêuticas, que são pouco fiscalizadas, não têm regras específicas de funcionamento e, sobretudo, não têm amparo científico. “Há o risco de se transformarem em novos manicômios”, afirmou o senador do PT-PE e ex-ministro da Saúde Humberto Costa.

A política aprovada nas comissões do Senado reforça um decreto publicado em abril pelo presidente Jair Bolsonaro, que considera a abstinência como principal estratégia para o tratamento de pacientes e deixa em segundo plano a redução de danos.

Pena

O texto também amplia de 5 para 8 anos a pena mínima para o tráfico e reserva 3% das vagas de obras públicas com mais de 30 postos de trabalho para atendidos por políticas sobre drogas.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.