Robert Ghement/EFE/EPA
Robert Ghement/EFE/EPA

Proporção de jovens com covid-19 triplica em 5 meses, apontam dados da OMS

Análise de seis milhões de casos registrados de fevereiro a julho aponta que a porcentagem referente a pessoas de 15 a 24 anos cresceu de 4.5% para 15%.

Ankur Banerjee e Stephanie Nebehay, Reuters

04 de agosto de 2020 | 17h17

Jovens que estão frequentando baladas e praias estão a frente de aumento nos novos casos de covid-19 pelo mundo, com a proporção de infectados com idades entre 15 e 24 anos aumentando três vezes em cinco meses, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Uma análise feita pela entidade de seis milhões de infecções registradas entre 24 de fevereiro e 12 de julho aponta que a porcentagem referente a esta faixa etária específica cresceu de 4.5% para 15%.

Além dos Estados Unidos, que lideram o ranking de número de casos do coronavírus com 4.8 milhões de registros, países europeus - incluindo Espanha, Alemanha e França - e países asiáticos, como Japão, declararam que muitas novas infecções ocorreram entre jovens.

“Os mais novos tendem a ser menos vigilantes quanto ao uso de máscaras e ao distanciamento social”, disse Neysa Ernst, gerente de enfermagem de unidade de Biocontenção do Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, nos EUA.

“Viagens aumentam as chances de pegar e transmitir covid-19”, afirmou, acrescentando que os jovens são mais propensos a ir a praia ou bar, ou sair para comprar alimentos.

Dentre aqueles com idades entre 5 e 14 anos, a proporção de infectados foi 0,8% para cerca de 4,6% de fevereiro a julho, apontou a OMS. O crescimento ocorre em meio ao aumento da testagem. Especialistas em saúde pública estão preocupados que a reabertura das escolas pode levar a um aumento nos casos.

O aumento nos novos casos,  também chamado de segundo onda de infecções, levou alguns países a impor novas restrições a viagens. Enquanto isso, empresas farmacêuticas correm para encontrar uma vacina contra o vírus que já matou mais de 680 mil pessoas e afetou economias globalmente. Mesmo países como o Vietnã, elogiados pela aplicação de medidas de contenção contra o coronavírus, estão lidando com surtos de covid-19.

O imunologista e diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, alertou os jovens no último mês a darem continuidade ao distanciamento social, uso de máscaras e evitarem aglomerações. Também advertiu que pessoas assintomáticas transmitem o vírus. Em vários países, especialistas de saúde incentivaram ações semelhantes ao relatar que os jovens infectados mostram poucos sintomas.

“Já dissemos isso antes e repetimos: jovens não são invencíveis", afirmou o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante coletiva de imprensa na semana passada. "Os jovens podem se infectar, os jovens podem morrer e os jovens podem transmitir o vírus para outras pessoas”.

No mês passado, membros do governo de Tóquio disseram que seriam conduzidos testes para detecção de coronavírus nos bairros da cidade conhecidos pela vida noturna da cidade. Boates foram instruídas a fornecer para os clientes espaço suficiente, com boa ventilação e a pedir que evitassem falar alto. Na França, no último mês, as autoridades fecharam um bar onde pessoas violaram as regras de higiene e causaram um surto da doença. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.