Proteína evita morte de células imunológicas

Uma das reações do sistema imunológico humano diante do ataque do vírus HIV é o suicídio (apoptose) das células CD4. Como um reflexo do esgotamento provocado pela infecção, elas em última instância se matam, levando à manifestação dos sintomas da aids. Os cientistas ainda não sabem muito bem por que isso acontece, mas já perceberam que para fortalecer as defesas do corpo é preciso evitar esse suicídio espontâneo. Agora um grupo de pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estado Unidos descobriu que o corpo humano já conta com uma molécula que impede a morte das células, a interleucina 7. A descrição do seu funcionamento foi publicada na edição de hoje da revista PNAS. O estudo do comportamento da proteína pode levar ao desenvolvimento de uma terapia para fazer com que as células imunes continuem lutando contra o HIV. Os cientistas, liderados por Paolo Lusso, analisaram amostras de sangue de 24 pacientes infectados com o vírus. Eles então injetaram a proteína em algumas e observaram a sobrevivência das células imunes. Aquelas que receberam a molécula tiveram uma taxa de morte celular bem menor.

Agencia Estado,

06 de fevereiro de 2007 | 10h48

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.