Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Provedor da Santa Casa anuncia afastamento

Em meio a grave crise e pressionado por médicos e membros da instituição, Kalil Rocha Abdalla vai se licenciar do cargo por pelo menos 90 dias

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

21 Dezembro 2014 | 23h32


Pressionado por membros da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e por funcionários do complexo hospitalar, o advogado Kalil Rocha Abdalla, de 73 anos, anunciou ontem que vai se licenciar por pelo menos 90 dias do cargo de provedor da instituição.

A entidade filantrópica vive crise financeira, agravada durante a gestão de Abdalla, quando o déficit passou de R$ 80 milhões para mais de R$ 400 milhões. O advogado está à frente da Santa Casa desde 2008 e cumpre seu terceiro mandato como provedor.

Auditorias encomendadas pelo governo do Estado apontaram indícios de má gestão, até mesmo sobrepreços em contratos firmados pela Santa Casa.

Em nota divulgada na noite de ontem, a instituição informou que Abdalla decidiu se licenciar do cargo “no melhor interesse da instituição e de forma a garantir ainda mais transparência e lisura da sindicância instaurada a seu pedido”. 

A apuração interna foi determinada pelo provedor há cerca de dez dias, após a divulgação dos resultados de auditoria externa feita pela empresa BDO, contratada pela Secretaria Estadual da Saúde.

O provedor passou a sofrer uma série de pressões internas depois que os resultados da auditoria foram apresentados. Na quarta-feira, durante reunião com 32 membros da Mesa Administrativa da instituição, recebeu moção de dez dos integrantes pedindo a sua saída. Na sexta-feira, um manifesto assinado por mais de 1.300 funcionários do complexo hospitalar solicitou a sua renúncia. 

O atual provedor também vinha sendo pressionado pelo Ministério Público Estadual (MPE) a se distanciar da gestão da Santa Casa. 

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada na quinta-feira, o promotor Arthur Pinto Filho, que conduz inquérito para investigar problemas na entidade filantrópica, declarou que abriria em janeiro ação civil pública pedindo a destituição de Abdalla por incapacidade de seguir à frente da Santa Casa. Ele afirmou que a medida seria tomada caso Abdalla não saísse do cargo espontaneamente ou por ação da irmandade.

Trâmites. A previsão era de que os membros da irmandade e os funcionários da Santa Casa recebessem, na noite de ontem, a carta do provedor anunciando a licença. No período de afastamento de Abdalla, deverá assumir o cargo o vice-provedor, Ruy Altenfelder.

Médicos e membros da irmandade ouvidos ontem pela reportagem afirmaram que a licença não é suficiente. Para eles, a renúncia do provedor seria mais oportuna.

Caso Abdalla anuncie a renúncia definitiva ao final da licença, deverão ser convocadas novas eleições para a provedoria, na qual os 500 membros da irmandade elegem o novo líder da maior instituição filantrópica da América Latina. 

A medida ocorre quando o provedor ainda não chegou à metade da gestão. O terceiro mandato de Abdalla começou em abril deste ano e vai até o mesmo mês de 2017.

Abdalla não quis se pronunciar ontem. Durante a semana, em entrevista ao Estado, ele disse que fazia boa gestão e não pensava em deixar o cargo. 

Mais conteúdo sobre:
Santa Casa Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.