Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Puberdade em meninas americanas começa mais cedo e pode ter a ver com obesidade

Garotas com desenvolvimento precoce são mais propensas a câncer de mama, depressão e sexo prematuro

Reuters

10 de agosto de 2010 | 19h54

As descobertas de um novo estudo, liderado pelo Centro Médico Infantil de Cincinnati, nos EUA, sugerem um desenvolvimento ainda mais precoce em meninas do que o relatado em uma pesquisa anterior, de 1997.

As meninas que atingem a puberdade mais cedo são mais propensas a outros comportamentos de risco e podem estar mais suscetíveis ao câncer de mama, segundo o pesquisador Frank Biro e sua equipe. O trabalho envolveu 1.200 garotas entre 7 e 8 anos de idade, moradoras de Cincinnati, Nova York e São Francisco, e foi publicado na revista Pediatrics.

"Isso pode representar uma tendência real", disse o endocrinologista infantil Joyce Lee, da Universidade de Michigan, que não estava envolvido com a nova pesquisa.

Os médicos não estão seguros sobre o que poderia estar causando o desenvolvimento precoce em meninas, mas as taxas de obesidade podem ser as culpadas, afirmam. Estudos também têm demonstrado que essas garotas correm mais risco de depressão e, muitas vezes, começam a ter relações sexuais antes meninas que se desenvolvem mais tarde.

Os pesquisadores, assim como os médicos e enfermeiros das meninas, usaram uma medida padrão de desenvolvimento mamário para determinar que se elas já tinham entrado na puberdade.

Comparando-se com os resultados de 1997 sobre as garotas americanas, as meninas do atual estudo - em especial as brancas - tiveram um desenvolvimento mais cedo. Como o levantamento anterior mostrou, também houve uma grande diferença no desenvolvimento com base no fator raça.

Aos 7 anos de idade, cerca de 10% das meninas brancas e 23% das negras tinham começado a desenvolver seios - em comparação com 5% das meninas brancas e 15% das negras em 1997.

Aos 8 anos, 18% das meninas brancas e 43% das negras tinham entrado na puberdade - um aumento de cerca de 11% das garotas brancas desde 1997, e o mesmo índice das participantes negras.

Esse estudo e outro publicado na última Segunda-feira na revista Pediatrics sugerem que o excesso de peso, tanto em crianças como em adolescentes, faz com que as meninas fiquem propensas a entrar na puberdade mais cedo. No mais recente estudo, o dr. Mildred Maisonet, da Escola de Saúde Pública Rollins - pertencente à Emory University, em Atlanta -, e colegas observaram que um rápido ganho de peso na infância - indicador de obesidade no futuro - estava ligado à puberdade precoce em meninas no Reino Unido.

Já a equipe de Biro descobriu que as meninas entre 7 e 8 anos com maior índice de massa corporal (IMC) - relação entre peso e altura - eram mais suscetíveis de ter desenvolvimento precoce que garotas mais magras.

Os autores advertem que a população estudada, embora diferente, não representa necessariamente o que está acontecendo com todas as meninas americanas. Mas eles continuam acompanhando as garotas para ver quando o restante delas atingirá a puberdade, e que outros fatores podem estar relacionados a esse índice de desenvolvimento.

Biro acredita que as crescentes taxas de obesidade podem ser uma das principais razões por que as meninas parecem estar se desenvolvendo mais rápido do que há 13 anos.

Os pesquisadores sabem que as meninas mais pesadas são mais propensas a ter uma puberdade precoce. Isso poderia ocorrer porque as pessoas com sobrepeso têm uma maior quantidade de um hormônio conhecido por ser ligado ao desenvolvimento - mas também pode ser uma questão de nutrientes que garotas obtêm da dieta, segundo Joyce Lee, da Universidade de Michigan.

Joyce e Biro afirmam que os médicos estão preocupados com a saúde psicológica e física das meninas que atingem a puberdade mais cedo. "Quando uma criança de 11 anos se parece com uma de 15 ou 16, os adultos interagem com ela como se ela tivesse 15 ou 16", disse Biro. As meninas que se desenvolvem mais cedo "aparentam ser fisicamente mais velhas", o que não significa que elas são psicologicamente ou socialmente mais maduras.

Além disso, as mulheres que gastam mais tempo da vida menstruando têm maior risco de câncer de mama, o que, dependendo de quando eles atingirem a menopausa, pode ser uma preocupação para as meninas que se desenvolvem cedo.

Biro afirmou que há algumas coisas que as famílias podem fazer para minimizar o possível risco da puberdade precoce nas filhas, incluindo incentivá-las a comer mais frutas e vegetais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.