Quarentena de pessoas saudáveis é discriminação, diz ONU

Dezenas de mexicanos foram isolados na China nesta semana por causa do surto mundial de gripe suína

Reuters

08 Maio 2009 | 10h56

OMS confirma 2.371 casos; previsão é que total atinja 2 bi

NOVA YORK - A alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, pediu nesta sexta-feira,8, aos países que não coloquem em quarentena cidadãos mexicanos saudáveis, levando em conta apenas sua nacionalidade, pois isso viola o direito internacional.  Dezenas de mexicanos foram colocados sob quarentena pela China nesta semana por causa do surto da gripe suína, que já infectou mais de mil pessoas no México e provocou 42 mortes no país.   O governo mexicano disse que a ação chinesa foi discriminatória, mas Pequim defendeu a medida.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

"Mexicanos que não tenham sintomas de gripe e não tenham estado no México na última semana claramente não estão mais propensos a serem portadores do (vírus) 'influenza' A-H1N1 do que qualquer outro residente no país onde eles estejam presentes", disse Rupert Colville, porta-voz de Pillay, a jornalistas em Genebra.

As autoridades têm o dever de proteger seus cidadãos, mas isolar indivíduos só se justifica se houver um risco genuíno, baseado em realidades médicas, o que inclui os períodos de incubação, segundo ele.

"Ninguém deveria ser posto em quarentena apenas com base na sua nacionalidade. Isso seria um caso inaceitável e claro de discriminação", afirmou Colvillle.

A discriminação com base na origem nacional é proibida pela Declaração Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, ratificado por 164 países, segundo ele.

Mais conteúdo sobre:
GRIPEONUQUARENTENA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.