Piero Cruciatti/AFP
Piero Cruciatti/AFP

Milhares de pessoas em todo o mundo foram confinadas para combater o novo coronavírus

Covid-19 já deixou mais de 11 mil mortos e ao menos 267 mil infectados em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2020 | 09h02

Milhares de pessoas em todo o mundo foram confinadas neste domingo, 22, para combater a pandemia do novo coronavírus, que já deixou 11.200 mortos e pelo menos 267 mil infectados, segundo a Organização da Saúde (OMS), quando se espalhou para novos países, incluindo a Colômbia, que anunciou sua primeira morte. 

A pandemia levou cerca de 35 países a aplicar medidas severas de contenção, que paralisam diversos setores da economia.

Com 793 mortes, a Itália registrou mais um recorde no número diário. Segundo o último balanço de sábado, 21, com esse número elevou para 4.825 o total de vítimas que morreram por causa da covid-19. 

O dado representa aumento de 19,7% na quantidade de mortes desde sexta-feira. O país concentra quase 40% das mortes registradas no mundo.

O país de 60 milhões de pessoas agora é o epicentro da doença, que apareceu na cidade de Wuhan na China em dezembro do ano passado e depois se espalhou para o resto do mundo. Até o momento, a Itália registra 53.578 casos confirmados.

Em uma semana, 70 mil pessoas foram denunciadas e processadas por violar a proibição de movimentação, bem mais do que as 53 mil infectadas. Aos poucos, os italianos vão descobrindo que não podem conter a pandemia na canetada.

O primeiro-ministro Giuseppe Conte anunciou o fechamento de todas as fábricas não essenciais em uma mensagem na televisão na noite de sábado.

A Itália registra um número de mortes semelhante à China continental e ao Irã - o terceiro país mais afetado do mundo - juntos, e tem uma taxa de mortalidade de 8,6% entre os casos confirmados de covid-19, significativamente maiores do que a maioria países.

O Irã é o país mais afetado no Oriente Médio. O número de mortos atingiu 1.685, com 129 mortes nas últimas 24 horas, já os infectados somam 21.638.

A Espanha também registra gravidade da situação com a morte de 1.720 mortes pela doença, sendo que 394 morreram nas últimas 24 horas. Os casos da doença também aumentaram para 28.572, sendo que 3.646 foram registrados desde a divulgação do balanço anterior que era de 24.926.

O presidente Pedro Sánchez alertou que "devemos nos preparar para dias muito difíceis".  Neste domingo, o governo do país decidiu estender por mais 15 dias o estado de emergência contra o novo coronavírus, anunciado em 14 de março. A medida depende de aprovação do Congresso. 

Na França, o número de mortos é de 450 pessoas. A polícia está usando helicópteros e drones para garantir que as pessoas fiquem em casa, conforme decreto.

O número de casos de coronavírus na Alemanha aumentou 1.948 nas últimas 24 horas para 18.610, segundo a agência de controle de doenças do país, o Instituto Robert Koch.

Esse salto representa um aumento de 12% nos números de sábado. Enquanto isso, o número de mortes aumentou de oito para 55, segundo informações da CNN.

A chanceler alemã, Angela Merkel, deve discutir novas medidas ainda neste domingo.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

No Reino Unido, bares, restaurantes e teatros fecharam, e as autoridades pediram aos cidadãos que não comprassem grandes quantidades de comida.

Nos Estados Unidos, um terço da população começou a aplicar medidas de contenção mais ou menos rigorosas em cidades como Nova York, Chicago e Los Angeles. Outras partes dos Estados Unidos podem restringir suas medidas.

Na América Latina, a Colômbia anunciou a primeira morte por coronavírus, um taxista de 58 anos de Cartagena que havia transportado "cidadãos estrangeiros em seu veículo", disse o ministro da Saúde. Existem 210 infectados no país.

A Bolívia, por sua vez, ordenou que os cidadãos ficassem em casa a partir deste domingo e El Salvador decretou uma quarentena obrigatória por 30 dias no sábado.

No Brasil, estados decretaram quarentena na luta contra a doença. Segundo o Ministério da Saúde brasileiro, são contabilizadas 18 mortes e 1.128 casos estão confirmados para a covid-19.

A Guatemala anunciou a aplicação de um toque de recolher parcial para impedir o avanço do vírus, que causou 17 infecções, incluindo uma morte.

Em outros países da região, como o México, cujas autoridades resistem a tomar medidas drásticas, muitos cidadãos decidiram se proteger.

Na Índia, foi declarado um dia de 'quarentena auto-imposta', um toque de recolher de 14 horas neste domingo, chamado pelo primeiro-ministro do país, Narendra Modi, para conter o crescente número de casos de coronavírus no país de 1,3 bilhão de habitantes.

A Austrália pediu aos seus cidadãos no domingo para cancelar suas viagens dentro do país.

O número de casos na China continental caiu drasticamente, mas a Ásia está com medo da chegada de casos "importados" da Europa e de outras partes do mundo.

As ações drásticas de confinamento seguem o exemplo da China, onde o fechamento da província de Hubei parece ter valido a pena. Foi em Wuhan, capital da província, que o vírus apareceu pela primeira vez.

Medidas sem precedentes para conter a epidemia forçaram o cancelamento de todos os tipos de eventos esportivos e aumentam a pressão sobre as autoridades olímpicas para cancelar os Jogos de Tóquio, programados para julho e agosto. / CNN e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.