Quatro casos de meningite levam refinaria a vacinação em massa no PR

Repar faz campanha e recomendações contra tipo C para 24 mil trabalhadores terceirizados

Evandro Fadel, de O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2010 | 18h17

CURITIBA - A Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, está realizando uma campanha de vacinação contra meningite para cerca de 24 mil trabalhadores terceirizados. A motivação foi o diagnóstico de meningite C ou meningocócica, que pode levar à morte, em quatro operários nos últimos dias.

Os funcionários já foram medicados e não correm risco de vida. Além da vacinação, foi repassada uma série de recomendações, particularmente em relação aos cuidados com higiene.

Os trabalhadores vieram de várias partes do País para fazer manutenção e obras de ampliação da refinaria. A maioria está alojada em pensionatos e hotéis da cidade.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro), Silvanei Bernardes, os dois primeiros casos da doença apareceram há cerca de um mês e foram verificados em um único pensionato. Os terceirizados com meningite trabalham na manutenção da refinaria.

Imediatamente, as autoridades sanitárias foram comunicadas e, além de tratar os operários doentes, fizeram a imunização dos demais moradores do pensionato, em razão de a transmissão ser feita de uma pessoa para outra. No entanto, logo depois foram verificados outros dois casos. "Eles estavam desconectados com os anteriores", afirmou Bernardes. Por isso, foi tomada a decisão de vacinação em massa, iniciada na semana passada. "Houve ampla publicidade interna e o sindicato foi comunicado."

A assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde do Paraná disse que apenas deu assistência à Repar no caso dos quatro trabalhadores que tiveram a doença e disse não ter informação sobre quem está realizando a vacinação. Na prefeitura de Araucária, também não foi dado nenhum informe remetendo-se à refinaria. A assessoria da empresa informou que não haveria nenhuma manifestação por parte da direção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.