Kerstin Joensson/AP
Kerstin Joensson/AP

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Queda de meteoro na Rússia provoca corrida por fragmentos

Segundo um astrônomo amador, pedaços da rocha espacial podem valer até 40 vezes mais que o ouro

O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2013 | 02h03

MOSCOU - A queda de um meteoro em uma cidade industrial da Rússia, na sexta-feira, gerou uma corrida pelos fragmentos da rocha espacial, que podem valer até 40 vezes mais que o ouro. No fim de semana, mais de 20 mil pessoas saíram à caça dos pedaços.

"O preço ainda é difícil de determinar. Quanto menos pedaços de meteorito forem encontrados, mais alto ele será", disse Dmitri Kachkalin, membro de uma sociedade de astrônomos amadores. Segundo ele, 1 grama de meteorito poderia valer até US$ 2,2 mil (R$ 4,3 mil).

Cientistas da Universidade Federal dos Urais foram os primeiros a anunciar a descoberta de 53 fragmentos pretos e rochosos nos arredores do Lago Chebarkul, próximo à cidade atingida. Testes confirmaram que essas rochas - com 10% de ferro e de 0,5 a 1 centímetro de diâmetro - são meteoritos. Pedaços maiores podem ter caído dentro do lago, onde uma cratera de 8 metros foi aberta pelo desastre natural.

A explosão do meteoro de cerca de 17 metros de diâmetro provocou uma onda de choque que feriu quase 1,2 mil pessoas em Chelyabinsk, a 1,5 mil quilômetros a leste de Moscou, e causou prejuízos que totalizam cerca de US$ 33 milhões.

Reação. Uma empresa americana liderada por um ex-astronauta da Nasa, que pretende construir um telescópio apenas para vigiar meteoros, recebeu nos últimos dias dezenas de milhares de dólares em doações.

"Estamos desenvolvendo a mais ambiciosa missão interplanetária já feita", afirmou o físico Ed Lu, que já habitou a Estação Espacial Internacional e hoje lidera a Fundação B612 (nome retirado do romance O Pequeno Príncipe), no Vale do Silício. "Vamos encontrar asteroides e monitorá-los, para que saibamos com décadas de antecedência antes que outro desses caia."

Se a empresa angariar US$ 450 milhões, o plano é lançar até 2018 um satélite que fará o mapeamento de asteroides em risco de colisão com a Terra.

Outra equipe, na Universidade do Havaí, trabalha num sistema de alerta, com uma bolsa de US$ 5 milhões da Nasa. Chamada de Atlas, a iniciativa, prevista para 2015, empregará oito pequenos telescópios e permitirá que um meteoro de 45 metros seja avistado uma semana antes de cair, período suficiente para evacuar uma cidade. / AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Meteorometeorito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.