William Urdaneta/Unicef
William Urdaneta/Unicef

Queda de vacinação durante pandemia coloca 80 milhões de crianças em risco, alerta OMS

Organização Mundial da Saúde e a Unicef apontam que situação é especialmente preocupante na América Latina, onde a cobertura de vacinas vem sofrendo queda na última década

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2020 | 17h10

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alertaram nesta quarta-feira, 15, para a queda na imunização de crianças por conta dos impactos da pandemia do novo coronavírus na distribuição de vacinas. Medidas de lockdown e quarentena afetaram o sistema de vacinação em pelo menos 68 países, colocando aproximadamente 80 milhões de bebês menores de 1 ano em risco de contrair doenças que podem ser prevenidas, segundo pesquisa realizada pelas duas organizações com 82 países.

De 61 países que informaram sobre a situação atual, 85% indicaram que o nível de vacinação foi mais baixo em maio de 2020 do que em janeiro e fevereiro deste ano. Pelo menos 30 países apontaram que campanhas contra o sarampo estavam ou estão ameaçadas, o que pode resultar em surtos da doença em 2020 e anos seguintes. O levantamento foi realizado também pela Aliança de Vacinas (Gavi), em colaboração com o Instituto de Vacinação Sabin e outras entidades.

Dados preliminares dos quatro primeiros meses de 2020 apontam uma queda substancial no número de crianças que completaram as três doses da tríplice bacteriana - contra difteria, tétano e coqueluche. Esta é a primeira vez em 28 anos que o mundo pode ter uma redução na cobertura da tríplice. Antes da pandemia, a taxa de alcance dessa e da vacina contra sarampo havia estabilizado em 85% globalmente. 

A situação, segundo a OMS e a Unicef, é especialmente preocupante na América Latina, onde cobertura da vacinação historicamente alta tem sofrido queda na última década. No Brasil, Bolívia, Haiti e Venezuela, a imunização caiu pelo menos 14 pontos percentuais desde 2010. Somado a isso, esses países também estão enfrentando impactos moderados ou severos causados pelo coronavírus na distribuição de vacinas.

As razões para os impactos nesse serviço variam. Mesmo quando não há interrupção no oferecimento das vacinas, a população fica impedida ao acesso por relutância em sair de casa, paralisações nos serviços de transporte público ou medo de exposição a quem está infectado com covid-19. Muitos profissionais de saúde também não estão disponíveis por terem sido realocados para combate ao coronavírus ou por falta de equipamento de proteção. 

"Precisamos retomar urgentemente os programas vacinação. Não dá para trocar uma crise de saúde por outra", diz a diretora-executiva da Unicef, Henrietta Fore.

Tudo o que sabemos sobre:
vacinaçãocoronavíruscriança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.