Reprodução/Inpe
Reprodução/Inpe

Queimadas no Brasil aumentam 85%, informa Inpe

Esta é a primeira variação para mais no período entre janeiro e agosto desde 2007

estadao.com.br

13 de agosto de 2010 | 15h56

O número de focos de queimada no Brasil, acumulado desde 1º de janeiro e até a última quinta-feira, 12, chegou a 25.999, ante 14.019 no mesmo período do ano passado, uma variação, em termos relativos, de 85%.

 

Neste ano, foram registradas 25.999 focos de incêndio, contra 14.019 no mesmo período do ano passado. Apenas entre o fim da noite de quarta-feira e as 13h30 desta sexta, foram anotados 15.183 focos de queimada no Brasil.

 

Frente fria traz umidade e reduz temperaturas no Centro-Oeste

 

Incêndio destrói mais de 70 imóveis e deixa dezenas de desabrigados em MT

 

De acordo com relatório do Instituto Nacional de pesquisas Espaciais (Inpe), esta é a primeira variação positiva para o período desde 2007, quando o número de focos superou os de 2006 em 154%. Nos últimos anos, a tendência vinha sendo de queda, com redução de 70% em 2008 e 20% em 2009.

 

As unidades da federação que registraram os maiores aumentos de número de queimadas entre o ano passado e este são Tocantins (407%), Piauí (365%), Distrito Federal (250%).

 

Estados como Maranhão, Minas Gerais, Pará, Goiás e Bahia mais que dobraram o número de focos. As principais reduções ocorreram no Rio Grande do Sul (-63%), Santa Catarina (-53%) e Acre (-53%).

 

No Mato Grosso, foram registrados 6.693 focos; no Tocantins, 4.210; Pará, 2.526, e Bahia, 2.020. Os dados foram coletados pelo satélite NOAA-15 do Inpe.

 

Dos treze países analisados, o Brasil lidera o número de focos de incêndio, seguido pelo Paraguai, com 3.592 queimadas, Bolívia, com 2.316, e Argentina, com 1.216 em 2010.

 

Com informações de Priscila Trindade, do estadão.com.br

 

Tudo o que sabemos sobre:
queimadasinpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.