Divulgação
Divulgação

Queiroga assina 'carta de compromisso' para criar unidade da Oxford no Brasil, mas não detalha plano

Anúncio foi feito da Inglaterra, com representantes da instituição, mas data de inauguração, local e programação ainda não foram divulgados

João Ker, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2021 | 14h59

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, assinou nesta quarta-feira, 27, uma "carta de intenção" para a criação de uma unidade de pesquisa e educação em parceria com a Universidade de Oxford no Brasil. Detalhes como o local de instalação ou a data prevista para a sua inauguração ainda não foram divulgados.

Durante o evento no Museu de História Natural da instituição, na Inglaterra, Queiroga disse ainda que a iniciativa tem como objetivo o "fortalecimento dos sistemas de saúde de acesso global". "A pandemia nos ensinou muito, mas sobretudo ensinou que é através da ciência de qualidade", afirmou. 

"Esse termo de compromisso é um aceno para o futuro, para a formação de pesquisadores de altíssimo nível e que poderão, sim, construir um sistema de saúde mais eficiente, mais sólido, e com capacidade de atender o Brasil com uma qualidade cada vez melhor", declarou o ministro, sem detalhar como a unidade da instituição funcionará no País. 

Louise Richardson, vice-reitora da Universidade de Oxford, também afirmou que a cooperação com o Brasil visa a "garantir que nenhum lugar seja tomado de surpresa por uma nova pandemia, que não respeita fronteiras". 

Dose de reforço

Durante o evento, Queiroga também comentou o estudo encomendado pelo ministério à Universidade de Oxford sobre a aplicação da dose de reforço no País. Apesar de ainda não ter publicado os resultados completos, ele afirmou que a pesquisa analisou a duração dos anticorpos gerais e neutralizantes em quem tomou as quatro vacinas disponíveis no Brasil (Coronavac, AstraZeneca, Pfizer e Jansen) seis meses após completarem o esquema vacinal.

Sem apresentar detalhes do estudo, a equipe apenas afirmou que há um declínio de todos os anticorpos seis meses após a aplicação da segunda dose e que as vacinas de plataforma heteróloga (Pfizer, Jansen e AstraZeneca) teriam causado uma "resposta significativamente mais robusta" com a aplicação da terceira dose. Queiroga disse que, após a publicação dos dados completos, "será possível fazer uma programação mais ampliada" do PNI para o próximo ano. 

Nos meses anteriores, o ministro tem protagonizado um embate com o governo de São Paulo após ter afirmado que não pretende indicar a Coronavac para ser usada como dose de reforço no PNI. Ele, entretanto, não deixou claro se mantém a posição após os dados do estudo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.