Adriano Machado / Reuters
Adriano Machado / Reuters

Queiroga descarta antecipar 3ª dose por causa da Ômicron; OMS vê risco de avanço da variante

Ministro diz que Brasil está preparado para enfrentar nova cepa do vírus; governo ainda anunciou outro contrato para comprar 100 milhões de doses da vacina da Pfizer

Bruno Luiz, O Estado de S. Paulo

29 de novembro de 2021 | 14h08

SALVADOR - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga afirmou nesta segunda-feira, 29, que a variante Ômicron do coronavírus, descoberta na África do Sul, não será diferente de outras já identificadas. O titular da pasta federal disse que a vacinação é a melhor estratégia contra a covid-19, mas descartou antecipar o intervalo entre a 2ª dose e o reforço, hoje estipulado em cinco meses.

A medida é cogitada, por exemplo, no Reino Unido. Também nesta segunda, o governo anunciou a assinatura de novo contrato com a Pfizer para a compra de mais 100 milhões de unidades do imunizante em 2022. 

"Não se pode querer uma ciência self service. Para umas coisas, se quer evidência científica de nível A. Para outros, não tem evidência, só a opinião de um secretário municipal. Não pode ser assim", criticou ele, em evento na capital baiana nesta segunda. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta segunda que a Ômicron apresenta "risco global alto", mas  destaca haver incertezes sobre a ameaça real. A cepa motivou alerta diante do alto número de mutações, mas cientistas afirmam que ainda é preciso investigar se ela tem a capacidade de maior transmissão e de escapar da proteção da vacina. 

Queiroga afirmou ter conversado com Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), sobre a variante e que não vê perspectiva de "retrocessos" no País em relação às primeiras e segundas ondas da pandemia, mais letais.

"Não achamos que vai ser diferente das outras variantes. A resposta é a vacinação. Temos um sistema de saúde capaz de dar as respostas no caso de uma variante dessa ter uma letalidade maior", declarou. Ele ainda pregou que, apesar de ter sido classificada como variante de preocupação pela OMS, a Ômicron não deve ser encarada como "variante de desespero".

"O Ministério da Saúde está vigilante e preparado para essas novas demandas. Pode surgir variante em qualquer lugar. Oa cuidados são os mesmos adotados desde o início da pandemia", arescentou Queiroga. O Brasil investiga um caso suspeito de infectado pela Ômicron, mas aguarda resultados dos testes. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.