Quênia barra viajantes de países atingidos pelo Ebola

O governo do Quênia disse que vai barrar passageiros viajando de três países vindos de países da África Ocidental atingidos pelo surto de Ebola, encerrando um debate sobre se a companhia aérea nacional estaria expondo o país à doença mortal. A suspensão se torna efetiva a partir de meia noite de terça-feira no horário local (18h de segunda-feira em Brasília).

Estadão Conteúdo

17 Agosto 2014 | 11h32

Serão atingidas todas as pessoas que tenham saído ou passado por Serra Leoa, Guiné e Libéria, disse o ministério da Saúde do Quênia. A Nigéria não foi incluída na proibição, que permite ainda o trânsito de profissionais de saúde e de quenianos retornando para casa vindos desses países.

"Este passo está em linha com o reconhecimento de medidas extraordinárias necessárias urgentemente para conter o surto de Ebola na África Ocidental", afirmou o ministério queniano. O ministério citou declaração recente da Organização Mundial da Saúde de que a magnitude do surto de Ebola foi subestimada.

Depois do anúncio, a companhia Kenya Airways disse que iria suspender voos para Libéria e Serra Leoa. Importante companhia de transporte aéreo da África, a empresa lutou com a decisão sobre continuar ou não voando para a África Ocidental durante o surto de Ebola. A suspensão dos voos é uma abrupta reversão do anúncio feito na sexta-feira de que a companhia continuaria voando.

Comentaristas, especialistas médicos e políticos quenianos disseram temer que a Kenya Airways estivesse colocando os lucros na frente da prudência. A empresa realiza mais de 70 voos por semana para a África Ocidental, mas seu presidente, Titus Naikuni, disse em coletiva de imprensa na quinta-feira que as decisões da companhia nada tinham a ver com dinheiro. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EbolaQuênia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.