Quer perder peso?

Novos estudos trazem estratégias revisadas para quem quer emagrecer

Jairo Bouer*, O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2017 | 05h00

Quem é que todo começo de ano não faz a promessa de que vai emagrecer? A pessoa se matricula na academia, capricha na alimentação, jura que vai acordar mais cedo para caminhar duas ou três vezes por semana e, daí, antes mesmo de o carnaval chegar, todos os planos de uma vida mais saudável já foram por água abaixo. 

É, caro leitor, mudança de comportamento não é algo fácil mesmo, ainda mais quando envolve sacrifícios. A primeira semana de 2017 foi prolífera em novos estudos com estratégias revisadas para quem quer perder peso. Frente à epidemia de obesidade e sobrepeso que vivemos, alguns deles podem ser úteis. Todas as informações foram divulgadas pelo jornal britânico Daily Mail. Veja se as dicas abaixo podem tornar seu objetivo mais factível e boa sorte!

1. Mastigar bem. Um novo trabalho mostrou que mulheres que mastigavam os alimentos 35 vezes comeram até 30% menos do que as que mastigavam apenas 15 vezes. Especialistas da Universidade King’s College London, no Reino Unido, acreditam que mastigar ajuda na liberação de hormônios que aumentam nossa saciedade alimentar. Estudos anteriores já mostravam que mastigar bem fragmenta melhor os alimentos e os expõem de forma mais eficiente à saliva, que tem enzimas que propiciam uma melhor digestão. Agora, os cientistas acreditam que mastigar mais tempo também aumenta a liberação de alguns hormônios que controlam nosso apetite. Em média, nós mastigamos os alimentos de 15 a 20 vezes, e pesquisas mais antigas já haviam sugerido que pessoas que têm sobrepeso e obesidade tendem a mastigar menos. No estudo proposto, aquelas que mastigaram 35 vezes comeram em média 342 calorias por refeição. As que mastigavam menos comeram 468 calorias. A diferença de 126 calorias em uma única refeição pode ter efeito importante quando se sabe que a mastigação é um hábito que tende a ser reproduzido na forma como a pessoa se alimenta. Sempre bom lembrar que quem come com pressa tende a mastigar menos.

2. Beber água. Novo e polêmico trabalho do Imperial College London, também do Reino Unido, sugere que, em vez de refrigerantes diet e light, quem quer perder peso de verdade tem mesmo é de beber água. Os especialistas sugerem que refrigerantes adoçados artificialmente não funcionam nem para perda de peso nem para o controle de doenças como a diabete tipo 2. Para eles, o marketing desses produtos é que leva a população a acreditar de forma errônea nessa história. É bom ressaltar que uma série de estudos anteriores defende que há benefícios das bebidas diet quando comparadas às tradicionais, ricas em açúcares e calorias, dentro de um conjunto mais amplo de estratégias e medidas para perder peso. No entanto, recentemente, outro trabalho sugeriu que os adoçantes artificiais (por serem doces) acabam “enganando” nosso corpo, fazendo com que ele libere hormônios que, no final das contas, podem trazer ainda mais fome. Na dúvida, modere no consumo desse tipo de bebida. 

3. Ter metas ambiciosas. Quem quer emagrecer e tem metas mais ambiciosas consegue perder duas vezes mais peso do que aqueles que buscam metas mais realísticas. O resultado é baseado na investigação dos hábitos de mais de 24 mil pessoas que estavam fazendo uma dieta alimentar para perda de peso. Os mais ambiciosos chegaram a perder um quinto (quase 20%) do seu peso corporal! Os especialistas sugerem que a orientação habitual de que as pessoas devem ter como meta inicial a perda de 5% a 10% do seu peso corporal precisa ser revista e ampliada. Os resultados são baseados em um estudo com obesos acompanhados por 12 meses, publicado no Journal of Human Nutrition and Dietetics. A orientação de perda mais moderada de peso era baseada na suposição de que objetivos mais ambiciosos seriam mais difíceis de serem alcançados e, portanto, poderiam frustrar expectativas e fazer mais gente desistir no meio do caminho. O novo trabalho mostra justamente o contrário, e reforça que os profissionais de saúde devem ajudar as pessoas que querem emagrecer a focar mais longe e, a partir daí, apoiar de maneira mais próxima sua tentativa de perder peso. 

* É PSIQUIATRA

Mais conteúdo sobre:
Jairo Bouer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.