EDDIE KEOGH/REUTERS – 24/3/2020
EDDIE KEOGH/REUTERS – 24/3/2020

Quer praticar ioga? Conheça os principais estilos

São 7 opções diferentes que trazem benefícios como alívio de dores, fortalecimento muscular, concentração, além de auxiliar em casos de ansiedade e depressão

Marina Mori, Especial para o Estadão

04 de dezembro de 2021 | 05h00

E então você decidiu praticar ioga. Até agora, já leu o suficiente a respeito dos benefícios da filosofia milenar indiana que tem como objetivo equilibrar o corpo físico e acalmar o ritmo intenso dos pensamentos por meio de técnicas de respiração (os pranayamas) e de posições variadas (os asanas). Falta apenas escolher o estilo que mais combina com você. São várias vertentes, mas todas têm uma premissa em comum: a conexão com a própria individualidade.

“Esqueça as acrobacias e poses torcidas que você costuma ver nas redes sociais. Ioga não é só pose”, diz Anna Ivanov, professora de ioga há 40 anos e presidente da filial brasileira da Associação Internacional dos Professores de Yoga (Iyta, em inglês), em São Paulo, desde 1996. “O objetivo é fortalecer o corpo físico e usá-lo como ferramenta para equilibrar nossa mente e nosso corpo energético”, garante.

Foi em busca de alívio para o transtorno de ansiedade que a bióloga Bruna Bali começou a praticar ioga, há quase uma década. Nesse tempo, usou as redes sociais para postar fotos com um intuito além do estético: espalhar que a ioga é para todo mundo. “Me trouxe qualidade de vida. Durante as práticas, eu consigo relaxar e descansar”, conta. Hoje, atua como professora de ioga online e mantém uma comunidade no Instagram de 146 mil pessoas.

A seguir, as duas professoras descrevem sete estilos diferentes de ioga. Confira: 

Hatha

Praticado há mais de 5 mil anos na Índia, é o estilo que deu origem a todos os tipos de ioga que existem hoje e tem o objetivo de preparar o corpo para a meditação. A palavra “hatha” entrega o objetivo da prática: equilíbrio entre energias opostas (“ha” significa positivo, sol; “tha”, negativo, lua). Esse balanço harmonioso ocorre ao longo de posturas sincronizadas com a respiração. É ótimo para iniciantes, já que a permanência em cada postura é maior, mas não se engane – pode ser bem desafiador dependendo da sequência escolhida pelo professor.

Iyengar

“É o sapato ortopédico do ioga”, brinca a professora Anna Ivanov ao definir o estilo. Isso porque o iyengar (leia aiêngar) trabalha no realinhamento da coluna a partir de posições suaves do hatha yoga, mas sem tantas transições. Tudo é pensado para quem tem dores ou limitações de movimentos. Acessórios como blocos, almofadões e cadeira são usados para trazer conforto. 

Viniyoga

Nesta prática, as necessidades individuais ditam a ordem das posturas. Talvez você queira exercitar mais a flexibilidade, ou quem sabe treinar o foco para a prática de meditação. Com o acompanhamento personalizado, você desenvolverá habilidades de acordo com o que deseja. Outra particularidade é a repetição de uma postura como forma de aquecimento. Digamos que você faça uma flexão de tronco para tocar os pés com as mãos, mas não consiga de primeira. Ao longo de algumas respirações, você repetirá esse movimento até que o corpo se adapte e relaxe na posição.

Ashtanga Vinyasa

Você curte desafios e não abre mão de um exercício aeróbico intenso? Prepare-se para se aventurar neste estilo de ioga contemporâneo que tem como foco o condicionamento físico. A prática consiste em seis séries fixas de posturas, sempre na mesma ordem, que se tornam mais difíceis a cada etapa – para se ter ideia, pode-se levar anos até dominar uma sequência antes de seguir para a próxima. Ideal para pessoas agitadas. Se você tem algum problema de coluna, hipertensão ou pouca flexibilidade, é melhor evitar.

Vinyasa Flow

Criado na década de 1970, nos EUA, combina ashtanga e viniyoga. A prática costuma ser intensa, com foco no fortalecimento muscular, ganho de flexibilidade e gasto calórico. Basta uma rápida pesquisa na internet para entender o motivo: as posturas se conectam de forma sincronizada e quase sem pausas, como uma dança. A respiração é um elemento central na concentração.

Kundalini

Chamado de ioga da consciência, o estilo também se popularizou nos anos 1970. A prática é voltada para o equilíbrio energético e principalmente mental. Combina posições (kriyas) com os mudras, gestos variados com as mãos (pense na pose clássica de meditação em que o indicador toca o polegar; este é um mudra), mantras e pranayamas, técnicas de respiração. Uma delas é a respiração do fogo, cujo objetivo é ativar a kundalini, energia adormecida na base da coluna, onde fica o primeiro chakra.

Restaurativo

O nome diz tudo: nesta prática, derivada do iyengar, a finalidade é relaxar o corpo por completo, sem tanta exigência por um alinhamento da coluna ou mesmo por fortalecimento muscular. Tanto que cada postura costuma durar de 5 a 15 minutos. “É para se entregar mesmo e ficar bem confortável”, diz a professora Bruna Bali. Bloquinhos, almofadas e cintos ajudam a acolher o corpo nas torções (sempre suaves), aberturas de peito e de quadril. Bom para idosos e pessoas que sofrem com ansiedade e depressão.

Tudo o que sabemos sobre:
Yogasaúde mentalexercício físico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.