Michael Appleton/EFE
Michael Appleton/EFE

Quinze crianças estão hospitalizadas com uma doença misteriosa, provavelmente relacionada à covid-19

Elas apresentam sintomas associados ao choque tóxico ou à doença de Kawasaki, um mal raro nas crianças que produz inflamação dos vasos sanguíneos

Joseph Goldstein, The New York Times

06 de maio de 2020 | 18h58

Quinze crianças, várias com o novo coronavírus, foram hospitalizadas recentemente em Nova York com uma misteriosa síndrome que os médicos  ainda não conseguem compreender completamente, mas que também foi encontrada em vários países europeus, informaram na noite de segunda-feira funcionários da saúde.

Muitas destas crianças, entre os 2 e os 15 anos, apresentam sintomas associados ao choque tóxico ou à doença de Kawasaki, um mal raro nas crianças que produz inflamação dos vasos sanguíneos, inclusive nas coronárias, explicou  o departamento de Saúde da prefeitura.

Nenhum dos pacientes de Nova York com esta síndrome morreu, de acordo com um boletim oficial, que descreve a doença como uma “síndrome inflamatória em sistemas múltiplos possivelmente associada à covid-19”.

Na noite de segunda, o comissário de Saúde do Estado, Howard A. Zucker, informou que autoridades do governo estadual estavam também investigando a síndrome inexplicável.

A síndrome recebeu atenção especial nas últimas semanas em casos que começaram a aparecer nos países europeus gravemente atingido pelo coronavírus.

“Há descrições recentes de crianças de alguns países europeus que tiveram esta síndrome inflamatória, semelhante à de Kawasaki, mas que parece muito rara”, afirmou Maria Van Kerkhove, cientista da Organização Mundial da Saúde, em um breve comunicado na semana passada.

Não foi apurado de imediato se as crianças de outras partes dos EUA chegaram a contrair a doença. A cidade de Nova York vem sendo o centro da pandemia.

A covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, em geral é muito mais perigosa para as pessoas idosas e para as que têm comorbidade. As crianças têm menos probabilidade de adoecer gravemente do que os adultos. Mas algumas adoecem. Em Nova York, seis crianças morreram de covid-19, segundo dados do departamento de Saúde.

Há vários dias circulam em Nova York relatos de crianças com a síndrome que permanece inexplicável, mas na segunda-feira foi a primeira vez em que as autoridades alertaram em um informe que os médicos devem ficar atentos a possíveis pacientes com a doença.

Segundo o boletim, a maioria das 15 crianças teve febre e muitas tiveram erupção cutânea, vômitos ou diarreia. Cinco delas, hospitalizadas, precisaram de ventilador mecânico para ajudá-las a respirar, e a maioria das 15 “precisou de suporte para a pressão sanguínea”.

“O espectro geral da doença ainda é desconhecido”, afirmou o boletim. Dos 15 pacientes, a maioria testou positivo para o novo coronavírus ou é provável que estivesse previamente infectada, mostraram os testes de anticorpos.

A comissária da Saúde, Oxiris Barbot, disse em um informe: “Embora a relação desta síndrome com a covid-19 ainda não tenha sido definida, e nem todos estes casos tenham testado positivo para a covid-19 pelo teste do DNA ou pelo sorológico, a natureza clínica do vírus é tal que estamos pedindo a todo o pessoal médico que entre imediatamente em contato conosco se vir pacientes que atendem aos critérios destacados”.

“E aos pais”, ela acrescentou, “pedimos que se os seus filhos apresentarem sintomas como febre, irritação cutânea, dores abdominais ou vômitos, chamem o médico imediatamente”.

A conjuntivite, ou inflamação dos olhos, e nódulos linfáticos inchados são outros sintomas da doença de Kawasaki.

O departamento de Saúde identificou os 15 pacientes contatando as unidades pediátricas de terapia intensiva dos hospitais da cidade, nos últimos dias. “A esta altura, só é possível reconhecer os casos graves”, afirmou o boletim.

Os 15 pacientes foram hospitalizados a partir do dia 17 de abril.

A WNBC-TV noticiou anteriormente que o Hospital Infantil Mount Sinai Kravis trata de pacientes que estariam com a síndrome – e que alguns apresentaram problemas cardíacos e pressão baixa.

Zucker, o comissário da Saúde do Estado, foi indagado na semana passada, a respeito de relatos de choque tóxico em pacientes mais jovens. Ele respondeu que as autoridades estão cientes de que o vírus ataca órgãos diferentes, inclusive o revestimento interno dos vasos sanguíneos, o que, na opinião de alguns médicos, poderia contribuir para a formação de coágulos sanguíneos em alguns pacientes de covid-19.

“O que estamos vendo é que certas crianças podem ter uma inflamação destes vasos sanguíneos e estão desenvolvendo uma síndrome semelhante ao choque tóxico”, afirmou, acrescentando que falou com diversos diretores de hospitais sobre um pequeno número de casos.

Na noite de segunda, Zucker relatou que profissionais de saúde estavam a par de vários casos desta síndrome em hospitais de Nova York, e que estava em contato com autoridades médicas de todo o Estado a este respeito.

Zucker disse que o departamento estadual de saúde procura também possíveis casos de doença de Kawasaki em crianças e adolescentes na Europa, que foram tema de uma teleconferência internacional no fim de semana passado.

“Até o momento, pelo que é possível depreender, trata-se de uma rara complicação apresentada pela população pediátrica que eles supõem estar vinculada à covid-19,” disse Zucker. E continuou: “Estamos acompanhando muito atentamente estes casos”.

Os pediatras de vários países europeus, como Itália, Grã-Bretanha, França e Espanha relataram dezenas de casos de crianças que apresentaram o mesmo tipo de sintomas.

Não foi registrada nenhuma morte, e embora muitas destas crianças tenham testado positivo para o novo coronavírus, outras não testaram.

Na cidade de Bérgamo, no norte da Itália, o epicentro da crise, um hospital registrou 20 casos somente em abril. Em quatro hospitais de Paris, 20 crianças foram hospitalizadas  com inflamação do músculo cardíaco, e na Grã-Bretanha, mais de dez crianças com estes sintomas necessitaram de cuidados intensivos.

A Espanha registrou dezenas de casos em todo o país, e a Suíça e a Bélgica alguns.

Os pediatras instaram as famílias cujos filhos estiverem com febre, irritação cutânea ou dores de estômago a chamar um médico imediatamente. Alguns afirmaram temer que os pais não levem os filhos para o hospital por causa da pandemia.

Como estes países estão estudando a possibilidade de reabrir as escolas, os especialistas da área de saúde observaram que o pequeno número destes casos inusitados talvez não impeça as autoridades de fazê-lo. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.