Ração contaminada mata 1.500 cães na China

Ainda não se sabe ao certo como a melamina, aditivo químico do leite, contaminou o alimento animal

AP

20 de outubro de 2008 | 17h42

Cerca de 1.500 cachorros no noroeste da China morreram depois de comerem ração animal contaminada com o mesmo produto químico que contaminou derivados de leite, disse um veterinário nesta segunda-feira, 20. Os cães raccoon - de uma raça nativa do leste asiático que é criada por sua pele - foram alimentados com um produto que continha melamina e desenvolveram pedras nos rins, disse Zhang Wenkui, professor de veterinária na Universidade Shenyang de Agricultura. Todos os cachorros morreram em fazendas de apenas uma vila.  Zhang determinou que os animais morreram de falência renal após a realização de necropsias em cerca de uma dúzia de animais. Ele se negou a dizer quando as mortes aconteceram, mas um relatório trazido pelo jornal Southern Metropolis Daily informou que elas ocorreram durante os últimos dois meses.  "Primeiro, encontramos melamina nas rações animais, depois, encontrei 25% de pedras nos rins dos cachorros, formadas de melamina", disse Zhang. O jornal também colocou a melamina como culpada da morte de centenas de cães, mas não ficou claro como o produto chegou às rações animais.  No atual escândalo do leite, afirma-se que a melamina era acrescentada ao leite adulterado para aumentar artificialmente seu nível de nitrogênio, fazendo com que os produtos parecessem ter mais proteína quando testados.  Zhang informou que a empresa que produz a ração está conversando com criadores de Xishan, a vila da província de Liaoning, onde os cachorros morreram, sobre providenciar compensação e os pressionou para que não falassem com a mídia.  Zhang não informou o nome da companhia, mas o jornal afirma que a ração foi produzida por Harbin Hualong Feed Co. A empresa se recusou a comentar, dizendo que seus representantes estavam em reunião.

Tudo o que sabemos sobre:
melaminaleite adulteradoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.