Divulgação/Nasa
Divulgação/Nasa

Rastro de poeira da Terra pode ajudar a descobrir novos planetas

Quando a Terra passa por um ambiente carregado de poeira, uma cauda se forma atrás do planeta

estadão.com.br, estadão.com.br

12 Novembro 2010 | 17h14

O mergulho recente do Telescópio Espacial Spitzer no rastro de poeira que o planeta Terra deixa no espaço gerou dados que poderão ajudar cientistas a encontrar planetas em órbita de outras estrelas, diz nota emitida pela Nasa.

 

"Planetas em sistemas solares distantes provavelmente tem rastros semelhantes", disse o pesquisador Mike Werner, ligado ao telescópio. "E, em algumas circunstâncias, essa poeira pode ser mais fácil de detectar que o planeta em si. Então, precisamos aprender a reconhecê-la".

 

A Terra tem um rastro de poeira não porque está soltando partículas no espaço, mas porque o Sistema Solar é, em si, um lugar empoeirado.

 

O espaço interplanetário está repleto de fragmentos de colisões de asteroides. Quando a  Terra passa por um ambiente carregado de poeira, uma cauda se forma atrás do planeta.

 

"À medida que a Terra orbita o Sol, ela cria uma espécie de concha, ou depressão, na qual as partículas de poeira caem, criando uma aglomeração de poeira - a cauda - que a Terra puxa atrás de si, por gravidade", explica Werner. O rastro segue o planeta em volta do Sol, criando um anel.

 

A observação feita pelo Spitzer ajudou astrônomos a mapear a estrutura da cauda de poeira da Terra, e calcular como devem ser as caudas de outros planetas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.