Ratos com Parkinson têm melhora após clonagem celular

Cientistas americanos conseguiram pela 1.º vez uma transferência nuclear satisfatória para tratar a doença

Efe,

23 de março de 2008 | 14h57

Cientistas americanos conseguiram obter uma melhora neurológica em ratos de laboratório com mal de Parkinson, após receber um transplante de células obtidas por clonagem terapêutica, segundo a revista britânica Nature.   Os cientistas do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, de Nova York, conseguiram pela primeira vez uma transferência nuclear satisfatória para tratar a doença utilizando as próprias células do paciente.   Os pesquisadores obtiveram células-tronco através da clonagem terapêutica, na qual conseguiram neurônios dopaminérgicos - danificados no mal de Parkinson - que foram transplantados aos ratos doentes.   Segundo a equipe de pesquisadores, o método pode ser uma via eficaz para reduzir a rejeição aos transplantes e aumentar a recuperação em outras doenças.   Na clonagem terapêutica, também conhecida como transferência nuclear de células somáticas, o núcleo de uma célula somática de um doador é inserido em um óvulo que teve o núcleo extraído. A célula resultante se transforma em um embrião, a partir do qual é possível obter, com fins terapêuticos, células-tronco diferenciadas e, portanto, especializadas, para realizar funções precisas no organismo.   Como a informação genética das células resultantes é a do próprio doador, não há rejeição, e as mesmas não são atacadas pelo sistema imunológico depois do transplante.

Tudo o que sabemos sobre:
Mal de Parkinsonclonagem celular

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.