Ratos mostram como cérebro reage à intimidação

Qualquer vítima de "bullying" - intimidação, como a praticada por crianças e jovens contra colegas mais novos ou mais fracos - sabe que a experiência pode causar um medo prolongado. Agora, cientistas que analisaram ratos grandes intimidarem os menores descobriram que o estresse causa mudanças no cérebro - uma descoberta que pode ajudar nas pesquisas sobre depressão e outras doenças mentais. Uma substância produzida no cérebro, chamada BDNF, parece ser a culpada, determinando se o rato que sofreu a intimidação se tornará ou não um solitário medroso. "Essa é uma observação fascinante", disse Thomas Insel, diretor do Instituto Nacional de Saúde Mental, que ajudou a financiar o trabalho. Circuito Neurocientistas da Universidade do Texas queriam testar o papel do "caminho de recompensa" do cérebro em pessoas com comportamento depressivo. Esse circuito do cérebro está envolvido no aprendizado emocional, reconhecimento de prazer e, assim, também tem um papel no vício. Mas as pessoas com depressão grave tornam-se quase entorpecidas, incapazes de experimentar o prazer, sugerindo outra função deste caminho. Os pesquisadores do Texas submeteram pequenos ratos marrons a uma intimidação mais intensa do que a que enfrentariam na vida selvagem: cada um deles foi colocado, por cinco minutos, na jaula de grande rato branco, particularmente agressivo. Depois, os cientistas dividiram a jaula em duas por 24 horas - assim o ratinho não corria nenhum perigo, mas veria e sentiria o cheiro de seu agressor. Por 10 dias, cada ratinho enfrentou o valentão. Os pequenos animais ficaram drasticamente amedrontados. BDNF Quatro semanas depois, eles ainda temiam mesmo aqueles que presumivelmente seriam seus amigos. O que aconteceu em seus cérebros? O BDNF é uma substância química importante para o crescimento e a maturação das células nervosas. Alguns antidepressivos aumentam o nível de BDNF no hipocampo, o que, espera-se, ajuda a dar novo impulso aos neurônios. Mas, numa região diferente do cérebro, que abrange o feixe de dopamina mesolímbico , achar muito BDNF é ruim: o ratinhos experimentaram altos níveis de BDNF, que ativaram centenas de genes localizados na parte frontal do cérebro. Estresse O ativação genética pouco usual foi paralela ao isolamento social dos animais. Depois, a equipe de pesquisadores injetou nos ratinhos um vírus que corta a produção de BDNF apenas nessa região do cérebro, e repetiu a experiência. Na falta de BDNF, os ratinhos não ficaram amedrontados - eles essencialmente não sabiam como responder à ameaça emocional, evidência do papel do BDNF no estresse social. "A habilidade do estresse de induzir BDNF nesta rota é provavelmente uma boa coisa", disse Eric Nestler, psiquiatra. "Se você é constantemente submetido a algo ruim como ser agredido, faz sentido evitar quem te agride". Mas o estresse extremo pode transformar esse sistema de proteção normal em algo ruim. Isso é similar ao que pode acontecer nas pessoas, quando alguém geneticamente predisposto a experiências depressivas é exposto ao estresse emocional. A maioria dos pesquisadores de depressão focaram nos níveis totais de diferentes substâncias químicas cerebrais, como a serotonina. Mas o novo estudo sugere que isso é muito simplista, já que o BDNF aparenta ter diferentes efeitos em diferentes áreas do cérebro. "Não gostamos de pensar no cérebro como outro órgão qualquer", disse Insel. "É muito mais complicado. Precisamos pensar nas mudanças em circuitos específicos, não em se algo subiu ou desceu no cérebro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.