Reator para uso na medicina será destaque de simpósio sobre energia nuclear

Motor será tema de encontro no Rio pois sua construção garantirá ao País autonomia de molibdênio

Agência Brasil

22 Junho 2010 | 17h11

RIO DE JANEIRO - O Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), destinado à pesquisa e à produção de radioisótopos, elementos utilizados em áreas de saúde como a medicina nuclear, será um dos destaques do Simpósio Anual da LAS-ANS (Latin American Section of American Nuclear Society). O encontro começa nesta terça-feira, 22, no Hotel Intercontinental, em São Conrado, zona sul do Rio.

 

O simpósio, que vai até esta quinta, 24, reunirá os principais especialistas sobre energia nuclear de países como Estados Unidos, França, Argentina e México, além do Brasil.

 

Segundo os organizadores, o reator foi incluído entre os temas porque sua construção garantirá ao País autonomia na produção de molibdênio - substância que serve de matéria-prima para a fabricação dos geradores de tecnécio, utilizados em mais de 80% dos procedimentos de medicina nuclear.

 

A Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) já tem prontos os estudos técnicos sobre o projeto do reator, que será instalado em um novo instituto da Cnen a ser construído em área vizinha à do Centro Experimental de Aramar, em Iperó (SP). O Ministério da Ciência e tecnologia já destinou R$ 50 milhões ao projeto, de acordo com o presidente da Cnen, Odair Dias Gonçalves.

 

O centro de Aramar começará a produzir em escala industrial, neste segundo semestre, o gás de urânio (UF6, combustível nuclear) para mover as usinas Angra 1 e 2.

 

Também estarão em debate, no simpósio, a política de não-proliferação de armas nucleares, a questão da segurança das plantas nucleares (com ênfase sobre o tratamento e armazenamento de rejeitos) e a integração das estratégias, ações e projetos nucleares nos países da América Latina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.