Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Recife registra morte de feto e de recém-nascido infectados por chikungunya

Até então, não havia relatos desse tipo envolvendo a doença; anúncio provocou alerta entre especialistas

Monica Bernardes, Especial para o Estado

28 Julho 2016 | 14h58

RECIFE - A Secretaria de Saúde do Recife confirmou nesta quinta-feira, 28, dois casos até então inéditos relacionados à chikungunya em Pernambuco: a primeira morte fetal e o primeiro óbito de recém-nascido provocado pela doença. As mortes aconteceram, respectivamente, em fevereiro e março deste ano, mas só agora tiveram todas as confirmações laboratoriais concluídas. O anúncio provocou um alerta entre especialistas em saúde materna e infantil.

De acordo com a secretária executiva de Vigilância em Saúde do Recife, Cristiane Penaforte, a mãe do feto vitimado pela chikungunya apresentou os sintomas no último trimestre da gestação. O óbito intrauterino foi diagnosticado na 38.ª semana de gravidez, três dias após o início dos sintomas relatados pela gestante, que incluíam dores articulares e manchas espalhadas pelo corpo. A mulher, que teve a identidade preservada, é moradora do bairro do Arruda, na zona norte, e foi atendida em um hospital da rede privada. Ainda de acordo com a secretaria, o feto era do sexo masculino e não apresentava nenhum sinal de malformação.

O bebê recém-nascido também era do sexo masculino, tinha 15 dias de vida e morava com a família no bairro da Estância, na zona oeste. Ele morreu no início de março, quatro dias após apresentar os primeiros sintomas da chikungunya. A Secretaria de Saúde do Recife investiga ainda a morte de um segundo recém-nascido, ocorrida no bairro da Campina do Barreto, na zona norte. O menino, com um mês e oito dias, faleceu em abril com sintomas da doença. Os exames laboratoriais devem ser concluídos na próxima semana.

Especialistas se mostraram preocupados com a notícia. "Essas confirmações trazem uma luz para algumas dúvidas e podem nos ajudar a compreender um pouco mais sobre essa doença. É importante que as pessoas não entrem em pânico, especialmente as gestantes e as famílias com bebês recém-nascidos. Precaução continua sendo a palavra chave. Todos nós que atuamos na frente contras as arboviroses temos de nos debruçar sobre cada nova informação para tirar dali ações positivas para o cuidado com nossos pacientes", disse o infectologista Fernando Lima, do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, um dos centros de referência no tratamento das arboviroses. 

"Esta é uma doença nova para todo mundo e, diante disso, estamos nos mantendo em alerta enquanto estudamos a doença. Por isso, é preciso que as gestantes e a população em geral continuem com o repelente, usem roupas que cubram mais o corpo e evitem locais com muito mosquito", orientou Cristiane Penaforte, secretária executiva de Vigilância em Saúde do Recife.

A advogada Flávia Frazão, de 34 anos, segue à risca as recomendações médicas para tentar proteger os bebês Lucas e Rafael, que estão na 35.ª semana de vida intrauterina. "Eu uso repelente 24 horas por dia. Aboli saias, vestidos e bermudas e evito sair para qualquer lugar aberto ou que eu saiba que tem mosquitos ou muriçocas. É muito angustiante, mas estou tentando manter a calma para não atrapalhar a gravidez." 

Até esta terça-feira, 26,, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, 52 pessoas morreram neste ano em Pernambuco devido a complicações provocadas pelas arborviroses. Desse total, 31 óbitos foram provocados pela chikungunya e 21 pela dengue.

Mais conteúdo sobre:
RECIFEPernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.