Divulgação/NRAO
Divulgação/NRAO

Recorde de massa em estrela de nêutrons leva a reavaliação de teorias

Uma estrela desse tipo pode ser muito mais densa que um núcleo atômico

estadão.com.br, estadão.com.br

27 Outubro 2010 | 15h48

Astrônomos anunciam na edição nesta semana da revista Nature a descoberta da estrela de uma nêutrons com duas vezes a massa do Sol. Trata-se da estrela do tipo mais maciça já encontrada e, segundo os autores do artigo que escreve o achado, permite descartar uma série de teorias a respeito da composição desse tipo de astro.

 

Estrelas de nêutrons costumam ser descritas como os "cadáveres" de estrelas que explodem como supernovas. Com uma massa gigantesca concentrada numa esfera com diâmetro não muito maior que o de uma pequena cidade, esses corpos têm seus prótons e elétrons esmagados uns de encontro aos outros, convertendo-se em nêutrons.

 

Uma estrela desse tipo pode ser muito mais densa que um núcleo atômico, e uma colher de chá de material de estrela de nêutrons pesaria milhões de toneladas.

 

"A medição da massa  tem implicações para a compreensão de toda a matéria em densidades extremamente altas e muitos detalhes da física nuclear", disse, em nota, um dos autores do estudo, Paul Demorest, do Laboratório Nacional de Radioastronomia dos Estados Unidos.

 

Os pesquisadores usaram um efeito da Teoria da Relatividade Geral de Einstein para medir a massa da estrela de nêutrons, um pulsar chamado PSR J1614-2230, que é orbitado por uma anã branca. O par fica a cerca de 3.000 anos-luz da Terra.

 

À medida que a órbita faz a anã branca cruzar a linha de visão entre a Terra e o pulsar, as ondas de rádio que partem da estrela de nêutrons têm de passar muito perto da estrela companheira. A gravidade da estrela anã causa uma distorção no espaçotempo que afeta as ondas. Esse efeito permitiu que a massa das duas estrelas fosse medida.

 

Os pesquisadores esperavam que a estrela de nêutrons tivesse uma vez e meia a massa do Sol, mas determinaram que ela tinha, na verdade, o dobro da massa solar.

 

Esse excesso de massa, dizem os autores, muda a compreensão da composição da estrela. Alguns modelos teóricos propõem que, além de nêutrons, a estrela poderia conter  algumas partículas menos comuns, chamadas híperons, ou condensados de káons. Essas ideias, acreditam os pesquisadores, agora têm de ser descartadas.

Outra implicação, que será publicada no Astrophysical Journal Letters, indica que a estrela não pode conter quarks livres. Quarks são as partículas que compõem prótons e nêutrons.

 

"Se houver quarks no núcleo da estrela de nêutrons, eles não podem estar livres, mas devem estar interagindo fortemente entre si, como fazem no núcleo atômico", disse o principal autor desse segundo artigo, Feryal Ozel, da Universidade do Arizona.

Mais conteúdo sobre:
física astronomia pulsar nêutrons quarks

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.