Redução da epidemia de H1N1 abre caminho para novos vírus

Especialistas europeus adfirmam ainda que é muito cedo para baixar a guarda frente à pandemia de 2009

Reuters,

08 Janeiro 2010 | 16h22

A redução da onda da pandemia de gripe H1N1 provavelmente será seguida por novas e ainda desconhecidas variedades da gripe sazonal que as autoridades sanitárias precisam observar com cuidado para criar medidas de proteção, disseram especialistas europeus em gripe nesta sexta-feira, 8.

 

Imunidade contra gripe H1N1 aumentou em alguns países, diz OMS

Fábrica de vacinas do governo de São Paulo está parada

 

O Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) advertiu que os vírus de gripe "nunca ficam parados" e que os governos não podem relaxar a vacinação contra o H1N1, mas devem manter-se em guarda para possíveis mudanças no vírus e novas variedades.

 

"O padrão histórico das gripes humanas é que depois das pandemias, o mundo passa por uma nova mistura de vírus", escreveu o especialista do ECDC Angus Nicoll, no periódico científico Eurosurveillance.

 

Em entrevista, Nicoll disse que, embora os sinais vindos da Europa e dos EUA indiquem que a circulação de H1N1 está diminuindo, ainda é cedo para declarar a pandemia encerrada.

 

Ele lembrou que o vírus causador da pandemia anterior, de 1968 a 1970, tornou-se mais transmissível entre o primeiro e o segundo inverno, e houve mais mortes na segunda temporada (1969-1970) em pelo menos duas nações europeias.

 

Outra pandemia, a de 1957-1958, também deu sinais de arrefecimento antes do Natal de 57, mas voltou com força em 1958.

 

Na pandemia atual, novas infecções causadas pelo vírus H1N1 caíram de modo agudo nas últimas semanas, e alguns governos ficaram com excesso de vacinas encomendadas para proteger suas populações.

Mais conteúdo sobre:
pandemia gripe suína gripe h1n1

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.