Redução de serotonina dificulta controle da agressividade

Universidade Cambridge diz que dieta pobre em triptofano pode deixar pessoas mais impulsivas e combativas

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

05 de junho de 2008 | 15h06

Pessoas saudáveis submetidas a uma redução do nível da serotonina, uma substância que atua no cérebro, têm menos capacidade de resistir à raiva quando se sentem injustiçadas, mostra estudo publicado nesta tarde no website Science Express, da revista Science. "O achado é bastante significativo e tem implicações clínicas", diz o pesquisador Frederico Graeff, da Universidade de São Paulo (USP), lembrando que restaurar o controle sobre as emoções é um dos objetivos da terapia para transtornos de ansiedade.  Para realizar a pesquisa, cientistas dos EUA e Reino Unido recrutaram 20 voluntários. Controlando a dieta dos participantes no dia do estudo, os pesquisadores fizeram com que alguns ficassem com falta do aminoácido triptofano no organismo, enquanto outros mantiveram níveis normais do nutriente. O triptofano é essencial para a produção da serotonina. Ambos os grupos então passaram a tomar parte em um jogo chamado ultimato, no qual poderiam aceitar ou rejeitar propostas de divisão de um prêmio em dinheiro. O participante poderia decidir aceitar ou não ofertas de 45% do total em jogo (considerada uma divisão justa), 30% (injusta) ou 20% (muito injusta). Pelas regras explicadas a cada voluntário, em caso de rejeição tanto ele quanto o propositor ficariam sem nada, o que dava ao participante a oportunidade de punir ofertas injustas, ainda que sofrendo um custo pessoal. "Em nosso estudo, descobrimos que a redução do triptofano não prejudicou a disposição geral das pessoas, o que significa que elas não estavam mal-humoradas ao iniciar o jogo", explica Molly Crockett, da Universidade Cambridge, uma das autoras do artigo. A despeito disso, os voluntários com redução de serotonina rejeitaram quase 90% das ofertas muito injustas (contra 70%, no caso dos demais jogadores) e 70% das injustas (contra 50%). A tax a de rejeição das ofertas justas foi praticamente a mesma, 10%, nos dois grupos. "O resultado indica que houve um efeito específico sobre a reação à injustiça", diz Graeff. "Isso sugere desinibição, ou perda de controle sobre a emoção da raiva". O psiquiatra lembra que a falta de triptofano não costuma afetar o humor de pessoas saudáveis, embora possa reverter o efeito terapêutico de alguns medicamentos antidepressivos.  "Acreditamos que a redução dos níveis de serotonina dificulta o controle de reações emocionais à sensação de ter sido insultado", afirma Molly. "Então, embora nossos voluntários não estivessem com o humor ruim, eles podem ter achado mais difícil controlar a emoção, entendida como a reação imediata ao evento". Nota divulgada pela Universidade Cambridge, com base nos resultados do estudo, sugere que uma dieta pobre em triptofano pode deixar algumas pessoas mais impulsivas e combativas.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeUSPciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.