Divulgação
Divulgação

Região de Marília terá consórcio para combate à dengue

Decisão foi tomada após reunião entre prefeitos do centro-oeste do Estado; objetivo é organizar ações conjuntas contra o mosquito 

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

27 Março 2015 | 19h13

SOROCABA - Prefeitos do centro-oeste do Estado de São Paulo, reunidos nesta sexta-feira, 27, em Marília, decidiram criar um consórcio intermunicipal contra a dengue. O objetivo é organizar ações conjuntas de combate ao mosquito transmissor. De acordo com o prefeito de Marília, Vinícius Camarinha (PSB), um estudo da Secretaria Estadual de Saúde comprovou que a ação isolada de uma cidade não surte efeito sem o combate ao mosquito transmissor também nos municípios vizinhos. "O vírus é circulante e uma cidade acaba contaminando a outra, o que justifica um plano de ação regional", disse.

Como várias cidades do entorno, Marília enfrenta uma epidemia de dengue, com 10.530 casos e seis mortes confirmadas, além de oito óbitos em investigação. De acordo com o prefeito, a proliferação do mosquito da dengue no Estado vem ocorrendo há vários anos e pode se agravar. "Vamos traçar estratégias conjuntas para conseguir o apoio da população, afinal a maioria dos criadouros está dentro das residências."

O prefeito de Gália, Newton Freire (PMDB), um dos primeiros a aderir ao consórcio, disse que a união também ajuda na obtenção de recursos para enfrentar a doença. A cidade de 6,9 mil habitantes tem 170 casos de dengue. A prefeitura de Guaimbê, com 5,4 mil habitantes e 600 casos, não tem recursos para enfrentar a doença. "A situação é caótica", disse o prefeito Albertino Brandão (PTB). Novos encontros para dar forma jurídica ao consórcio serão realizados nos dias 31 de março e 6 de abril.

Mortes. A prefeitura de Araras confirmou a dengue como causa da morte de um idoso de 73 anos ocorrida no último dia 2. O caso, o primeiro confirmado na cidade que está em situação de epidemia, vinha sendo tratado como suspeito. Em Limeira, o número de óbitos em investigação subiu de cinco para oito - a cidade tem seis mortes confirmadas por dengue. Em Caraguatatuba, foi causado pela dengue o óbito de uma idosa ocorrido no último sábado. A cidade tem outros dois casos suspeitos e três mortes confirmadas.

Mais conteúdo sobre:
dengue Marília

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.