Divulgação
Divulgação

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Relatório da ONU aponta aumento do mercado de drogas sintéticas

Dados também mostram que mercado das drogas tradicionais como cocaína, heroína e maconha se estabilizou

Efe,

26 de junho de 2012 | 17h23

 O mercado das drogas tradicionais como cocaína, heroína e maconha se estabilizou, tendência que contrasta com o aumento do consumo dos entorpecentes sintéticos e outras substâncias químicas.

A constatação faz parte do Relatório Mundial sobre as Drogas de 2012, elaborado pelo Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC).

"A diminuição dos níveis gerais de cultivo e produção de ópio e de coca foi contrabalanceada pelo aumento de produção de drogas sintéticas", explicou a ONU.

Cerca de 230 milhões de pessoas, ou 5% da população adulta mundial, consumiu alguma droga pelo menos uma vez em 2010, número parecido com dos relatórios anteriores, o que levou a ONU a afirmar que o consumo "parece ter se estabilizado no mundo todo".

Os "consumidores problemáticos de drogas", em sua maioria viciados em cocaína e heroína, são 27 milhões de pessoas, ou 0,6% da população adulta mundial.

"A heroína, a cocaína e outras drogas seguem matando cerca de 200 mil pessoas todos os ano, destroem famílias e causam sofrimento a milhares de pessoas, disseminam insegurança e contribuem para a propagação do HIV", afirmou o diretor-executivo da UNODC, Yuri Fedotov.

O diretor também alertou que existe "um crescente reconhecimento de que o crime organizado e as drogas ilícitas obstaculizam a execução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio".

Esses objetivos foram estabelecidos em 2000 pela comunidade internacional para promover diversas facetas do desenvolvimento humano, como a redução da pobreza, acesso à água potável, entre outros, e seu prazo para ser cumprido termina em 2015.

Em termos financeiros, a ONU sustentou que é preciso entre US$ 200 milhões a US$ 250 milhões (entre 0,3% e 0,4% do PIB mundial) para pagar todos os custos de tratamento relacionados com as drogas em todo mundo.

A pior notícia foi o grande aumento da produção de ópio em 2011 no Afeganistão, após a redução do ano anterior devido a uma praga que prejudicou a colheita de papoula.

A produção de ópio aumentou no país 61% em 2011, de 3.600 toneladas em 2010 para 5.800 toneladas em 2011. A produção mundial foi de 7.000 toneladas.

Na Europa e nos EUA o aumento da produção de ópio não significou um aumento do consumo, mas isto pode ter ocorrido na Ásia e na África, embora a ONU admita não contar com números confiáveis sobre isto.

O cultivo de coca diminuiu 18% entre 2007 e 2010, sobretudo pela redução na Colômbia, enquanto o número estimado de consumidores de cocaína oscilou em 2010 entre 13,3 milhões e 19,7 milhões, ou seja, entre 0,3% e 0,4% da população adulta mundial. Os principais mercados desta droga estão nos EUA e na Europa.

Apesar da redução global dos cultivos, a ONU alertou que "no mesmo período o cultivo de arbusto de coca e a produção de folha de coca registraram um deslocamento de mercado" para a Bolívia e o Peru.

Como é tradicional, a maconha é a substância ilícita mais consumida no mundo. Entre 119 milhões e 224 milhões de pessoas provaram a droga em 2011, sendo a Europa é o principal mercado.

Outra tendência negativa já apontada em exercícios anteriores e que parecem estar em alta é o aumento do tráfico e consumo de drogas sintéticas.

A apreensão anual de metanfetamina duplicou de 2008 até 2010 e chegou a 45 toneladas, graças às operações realizadas na América Central e Ásia. Na Europa, as apreensões de ecstasy foram de 1,3 toneladas em 2010.

Os consumidores de anfetaminas se situam entre 14 milhões e 52 milhões de pessoas, enquanto o número de usuários de ecstasy fica entre 10 milhões e 28 milhões de pessoas.

A ONU advertiu sobre o crescente consumo de substâncias obtidas pela internet e que podem representar um sério risco para a saúde.

Embora a maioria dos consumidores de drogas tradicionais são homens, "o uso indevido de tranqüilizantes e sedativos pode se transformar em um hábito crônico entre as mulheres", advertiu a ONU.

Também se multiplicou a demanda de substâncias sintéticas que imitam os efeitos da cannabis e que se podem ser obtidas pela internet e em lojas especializadas conhecidas como "smart shops".

Tudo o que sabemos sobre:
drogasONUrelatóriodrogas sintéticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.