Remédio contra diabetes aumenta risco de fraturas

Avandia atua sobre uma célula que acelera o processo de enfraquecimento dos ossos

Efe,

02 de dezembro de 2007 | 23h20

O remédio para diabéticos Avandia, da farmacêutica GlaxoSmithKline, atua sobre uma célula que acelera o processo de enfraquecimento dos ossos, o que poderia explicar por que os diabéticos sofrem mais fraturas. Segundo um novo estudo publicado pela revista Nature Medicine, o tratamento a longo prazo com Avandia, também conhecido por Rosiglitazona, pode provocar osteoporose nos pacientes diabéticosporque impulsiona a ação das células osteoclastas, que reabsorvem o osso. Estudos anteriores indicaram que o remédio impedia a atuação das células osteoblásticas, que formam os ossos. A GlaxoSmithKline admitiu que seu remédio, utilizado em pacientes com diabetes tipo 2, aumenta o risco de fraturas em mulheres que tomam Avandia, como demonstrou outro estudo. O mesmo remédio foi recentemente objeto de outra descoberta sobre seus efeitos secundários. Uma investigação revelou que certos remédios administrados no tratamento do diabetes tipo 2 duplicam o risco que o paciente tenha problemas cardíacos, entre eles Avandia. A agência de controle de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) exigiu então da farmacêutica que advertisse deste risco no rótulo do medicamento. Segundo Ronald M. Evans, do Salk Institute for Biological Studies em La Jolla (Califórnia) e autor do estudo, os resultados ajudam a entender melhor os desafios no tratamento a longo prazo dos pacientes com diabetes tipo 2. Também apresenta a base para o desenvolvimento da próxima geração de remédios que podem corrigir este problema. Os pacientes que tomam Avandia podem enfrentar este efeito secundário com outros remédios contra a osteoporose, de acordo com Evans.

Tudo o que sabemos sobre:
diabetesAvandia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.