Reprimir emoções no trabalho pode levar à depressão, diz estudo

Estudo com profissionais que precisam ser cordiais indica que isso faz mal ao coração.

Marcelo Crescenti, BBC

04 de junho de 2008 | 16h39

As pessoas que precisam reprimir suas emoções por motivos profissionais podem acabar desenvolvendo depressão e outros problemas de saúde, sugere um estudo realizado na Universidade de Frankfurt, na Alemanha. De acordo com a pesquisa, publicada na revista científica Gehirn & Geist, especializada em neurologia e psicologia, profissionais como aeromoças e telefonistas, que precisam sorrir com freqüência e ser cordiais com o público, reprimem dessa forma seus sentimentos agressivos. "Essa atitude é prejudicial ao coração e pode causar problemas psiquiátricos como a depressão", explica Dieter Zapf, autor do estudo. "Quanto mais uma pessoa reprime seus sentimentos, mais risco ela corre." Insônia e dores de cabeçaPara realizar a pesquisa, Zapf analisou dois grupos de estudantes que eram funcionários de um centro de telemarketing - o primeiro deveria ser sempre cordial ao telefone, enquanto o segundo poderia rebater as críticas dos clientes. O pesquisador analisou o batimento cardíaco dos participantes dos dois grupos, e os resultados indicaram que aqueles que foram orientados a serem cordiais registraram um ritmo cardíaco bem mais acelerado do que os outros participantes, que não precisaram reprimir seus sentimentos. "A dissonância entre o que uma pessoa sente e o que ela exprime acaba causando uma grande fadiga emocional", alerta o professor.Zapf ressalta ainda que a tensão causada pelo riso forçado pode provocar outros problemas, como insônia, dores de cabeça e aumento da ansiedade. O pesquisador recomenda que profissionais que trabalham em contato permanente com o público façam pausas regulares para dar vazão às suas emoções.Além disso, ele aconselha que esses funcionários mudem de setor sempre que possível para evitar o estresse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.